1.2.17

É HORA DO STF MOSTRAR AO BRASIL A IGUALDADE DAS LEIS PARA TODOS

Por JOÃO VICENTE GOULART -


Após a justa decisão da Presidente do STF, Ministra Carmem Lucia em homologar as delações premiadas já em andamento no gabinete do falecido Ministro Teori Zavascki, chegou a hora de colocar os pontos nos “is”, e através da “liberdade de imprensa” termos o conhecimento das 77 delações dos diretores, funcionários e responsáveis pelo propino-duto que regou a corrupção, não só das campanhas petistas mas também de todos os envolvidos que, em nome da ética política deveriam ser afastados de seus cargos enquanto dure a investigação.

Se não lembremos; em artigo da Folha do ano passado, (http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/08/1799887-jose-serra-recebeu-r-23-mi-via-caixa-2-afirma-odebrecht.shtml) o senhor José Serra, atual Ministro de relações exteriores do Brasil, nosso “Chanceler”, foi citado com o codinome (apelidos na lista da Odebrecht) de “careca” e ou “vizinho”, em documentos encontrados na casa do presidente de infraestrutura da referida empresa, Benedito Barbosa da Silva Junior, durante a 23º fase da operação Lava-jato, a Acarajé, em fevereiro passado.

Os executivos afirmam que a campanha do atual ministro teria recebido R$ 23.000.000, no caixa dois e estariam dispostos a demostrar mediante comprovantes, tais depósitos na delação premiada.

Também estão entre os implicados (http://brasil.elpais.com/brasil/2017/01/30/politica/1485808656_455545.html o mais alto escalão do governo Temer: Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Programa de privatizações), Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), Serra e o próprio Temer, configurando assim, o verdadeiro “time de ouro” que assaltou o Brasil, para "colocá-lo nos eixos".

É esperar para ver...

A credibilidade do Supremo Tribunal Federal, do Ministério Público e dos atores representantes de nossa justiça, estão em jogo.

Lembremos do Presidente Salvador Allende e suas palavras sobre a justiça:

"Não basta que todos sejam iguais perante a lei. É preciso que a lei seja igual perante todos".

*Enviado para o e-mail da redação. João Vicente Goulart, Diretor IPG-Instituto João Goulart.