11.2.17

GOLPISTAS PREOCUPADOS COM A CIRCULAÇÃO DE JORNALISTAS CREDENCIADOS NO PALÁCIO DO PLANALTO E COM AS ATAS DA ABI

MÁRIO A. JAKOBSKIND e ANDRÉ MOREAU -


Curioso, o governo golpista de Michel Temer proibiu a circulação de jornalistas nos andares do Palácio do Planalto, por coincidência ou não, a partir da nomeação do gato angorá, Moreira Franco como Ministro. Para circular por lá, somente em companhia de alguém da secretaria de comunicação. Será qual o motivo?

Podem imaginar se esse tipo de ordem fosse dada pela Presidenta Dilma Rousseff, o que estaria acontecendo em matéria de protestos de entidades como a ABERT (Associação Brasileira de Rádio e Televisão) e ANJ (Associação Nacional de Jornais), que até o momento em que este informe estava sendo elaborado não se pronunciaram?

A diretoria da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) por enquanto também manteve o silêncio e deve estar aguardando o que as duas entidades patronais têm a dizer. Não chega a ser surpresa esse posicionamento vergonhoso da entidade que já foi considerada a Casa dos Jornalistas e hoje, sob a presidência de Domingos Meirelles, está reduzida a uma mera correia de transmissão da ABERT e ANJ, o que é lamentável e deve merecer o repúdio de jornalistas com um mínimo de dignidade. Dignidade que falta ao atual presidente Domingos Meirelles e seus seguidores incondicionais que assim como Temer proíbe jornalistas credenciados de circularem no Planalto, Meirelles age como se a Casa dos Jornalistas fosse sua propriedade.

Cumpre ressaltar que até hoje a Ata sobre as eleições de abril de 2016 se mantém oculta, se é que chegou a ser redigida, talvez pelo fato dos acólitos de Domingos não terem pensando como tratar do veto contra a Chapa Villa-Lobos encabeçada pelo jornalista e escritor José Louzeiro, impedida de concorrer, apesar de ter sido aprovada e inscrita, da mesma forma que as outras duas.

A quebradeira em curso indica que os trezentos e setenta trilhões de dólares deixados nos cofres públicos pela Presidenta Dilma Rousseff, já se esvaíram.

Quanto ao governo golpista de Temer e de outros governos estaduais, o quadro é por demais tenebroso. No Rio de Janeiro os (justos) protestos dos servidores contra a privatização da CEDAE estão sendo reprimidos a ferro e fogo. Jornalões, como O Globo, divulgam em suas páginas, inclusive com manchetes apelativas, informes deturpados e manipuladores sobre os protestos. O Globo coloca provocadores em pé de igualdade com os manifestantes, com o claro objetivo de queimar o filme de quem protesta.

No fundo, bem lá no fundo, o objetivo é criar um clima de pânico para evitar que os protestos prossigam, o povo acompanhe o que vem sendo feito com o seu dinheiro nos cofres públicos e o governador Pezão consiga privatizar a CEDAE. O presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), Deputado Jorge Picciani, concede entrevistas com chantagem correndo solto, do tipo que se os deputados não aprovarem a privatização da CEDAE não vai ter salário dos servidores.

Quanto aos salários atrasados dos servidores, o resultado na área da Polícia Militar começa a aparecer com as mulheres dos soldados e oficiais se manifestando nas entradas dos quartéis em protestos não só contra salários atrasados, como também pelo não pagamento do 13º.

Fariam melhor os PMs se recusassem reprimir servidores civis que denunciam as mesmas mazelas que afetam a corporação militar. O que não está sendo dito é que o quadro atual de deterioração vai se agravar no caso de persistirem as medidas propostas com grande ênfase pelo Ministro Henrique Meireles, aposentado do Bank of Boston e que continua agindo em conformidade com os interesses do capital financeiro.

Quanto ao Estado do Rio, está mais do que claro que o governador Pezão não tem condições de seguir a frente do Executivo. Cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio, o governador vai recorrer e tentar ganhar tempo para se manter no comando do Executivo.

Se junta a cassação o fato de ter sido apontado como ganhador de um troco nas falcatruas do seu parceiro, o ex-governador Sérgio Cabral, e não há muito mais dúvidas sobre a sentença que vai determinar o fim de seu governo, que nunca deveria ter começado se os eleitores incautos não se deixassem levar por mentiras e promessas nas campanhas eleitorais jamais cumpridas.

E o que falar da diretoria do Sr. Domingos Meirelles, eleita com pouco mais de cinqüenta e dois votos?

Membros da Chapa Villa-Lobos se movem em busca de justiça.

Já o caso Moreira Franco, denunciado mais de trinta vezes, quem decidirá o seu futuro é o Ministro do STF, Celso Mello.

Em tempo: a ABERT divulgou uma nota relativamente tímida em pedindo a revogação da medida que impede jornalistas de circularem nos andares do Palácio do Planalto, a não ser se forem acompanhados por funcionários da Secretaria de Comunicação.

Segue valendo a observação indagando qual seria a reação da ABERT caso a medida restritiva fosse adotada pelo governo de Dilma Rousseff. É bem possível que depois do sinal verde da ABERT, mesmo tímido, leve a ABI a se manifestar.

*Mário Augusto Jakobskind, Jornalista e Escritor, Coordenador de História do IDEA, Universidade Federal Fluminense. **André Moreau, Jornalista e Diretor do IDEA, Canal Universitário de Niterói, Unitevê, UFF/Fonte:  blog Jornal da ABI.

---
Leia também: