6.2.17

OS FACÍNORAS PEDIRÃO PERDÃO AGORA OU ESPERARÃO 50 ANOS

Por ANDRÉ MOREAU -


O crime mais recente dos informantes não oficiais, travestidos de jornalistas, foi a perseguição contra a ex-primeira dama Marisa Letícia, até sua morte.

A narrativa bolada em 2013 nas organizações Globo, contou com apoio de agentes do Congresso Nacional, do judiciário, do Tribunal de Contas da União, da Associação Nacional dos Jornais, da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio (Abert) e da atual diretoria da Associação Brasileira de Imprensa. Com essa tropa em campo, a mentira repedida foi transformada em verdade para boa parte da população, da mesma forma que fizeram contra o Presidente Fernando Lugo, com base em satanizações.

"Os americanos não suportam o fato de que o Brasil se converteu em um ator global e no fundo, o máximo que eles aceitam é que Brasília seja subalterna, como já foi" Luiz Inácio Lula da Silva

Agora a narrativa do golpe avança por outras bandas, em escala continental, praticando as mesmas violências que acompanhamos pelas ondas dos veículos de radiodifusão de massas, desde julho de 2013.

As tropas de informantes não oficiais dos oligarcas que detêm tais concessões, novamente se voltam contra a República Bolivariana da Venezuela, com pressões midiáticas para que a série do canal TNT, intitulada "O comandante", que denigre a imagem do Presidente Hugo Chavez, possa ser transmitida na terra de Bolívar.

Os conspiradores contam como aliados de peso nessa empreitada golpista: os diretores da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio (Abert) e a Associação Internacional de Radiodifusão (Air) que classificaram a posição de resistência dos membros da Comissão Nacional de Telecomunicações da Venezuela (Conatel), contra a veiculação da trama diabólica, como "campanha de censura".

Essa narrativa contra Hugo Chávez, Nicolás Maduro e o povo venezuelano, é velha conhecida de Maduro. Chegou a anunciar que se ele não caísse até novembro de 2016, a Venezuela seria invadida por estadunidenses.

A identidade dos que se escondem por trás de tais ações, é a mesma que camufla terroristas sob o manto da democracia, do liberalismo, do justiçamento e da austeridade.

Eles operam, também, através da máquina de guerra que usa tecnologia informática, a grande rede. Da mesma forma que no diário O Globo, sempre mantidos incógnitos.

"Associações de mídia criticam censura a série sobre Chávez," é o titulo do artigo – "Venezuela-Brasilia" (3).

O texto passa sobre a posição dos membros da Conatel, sobre o fato de que o enlatado estadunidense "atenta contra o legado de Chávez" como um rolo compressor, ridicularizando a campanha denominada hashtag #AquiNoSeHablaMalDeChávez (Aqui não se fala mal de Chaves).

O informante não oficial, para variar, se esconde atrás das linhas mal redigidas em O Globo que diz textualmente: "A proibição faz parte de uma campanha do governo que proíbe funcionários públicos de criticarem Chávez".

Sofisticado ou, mal escrito, é assim que o "modus operandis" que envenena cabeças, principalmente da classe média, é deflagrado, agora, ao que tudo indica, objetivando a conquista da América Latina.

Voltando ao Brasil, ainda sobre a máquina de destruir reputações, cumpre ressaltar que o nome da ex-primeira dama foi envolvido na principal vertente dessa narrativa, nas investigações da Operação lava jato, em função de denúncias do Ministério Público Federal, contra ela e Lula no caso do triplex no Guarujá (SP), denúncias que membros da Polícia Federal já constataram serem infundadas.

Num misto de ternura e revolta, o ex-presidente Lula, protestou no velório contra os golpistas, ressaltando que viverá para vê-los pedirem desculpas a Marisa pelo que fizeram a ela.

Bonitos gestos do Presidente Lula:

Aceitar os abraços de todos os "amigos ursos" sem lhes cuspir na cara e; o aperto de mão a todos aqueles cidadãos e cidadãs que esperaram horas para render homenagens à sua "galega".

*André Moreau, Professor e Jornalista, Diretor do IDEA – Unitevê (Canal Universitário de Niterói) e Coordenador-Geral da Pastoral de Inclusão dos "D" Eficientes Nas Artes/Fonte: blog Jornal da ABI.