19.2.17

TODOS DERAM VEXAME NO CASO VELLOSO

CARLOS CHAGAS -


O primeiro foi o ministro Carlos Velloso, se não tiver um argumento fundamental para explicar. Afinal, no encontro ao vivo com  Michel Temer, alimentou a hipótese de aceitação do ministério da Justiça, ficando apenas de confirmar o gesto em alguns dias. Permitiu as manchetes de jornal, sem desmenti-las, e conversou com o presidente a respeito dos grandes problemas que envolvem a pasta, da violência urbana à crise no sistema prisional. Sua desistência, feita pelo telefone, não teve a consistência da aceitação anterior, tornando-se constrangedora a conversa da rejeição, que durou poucos minutos.

Erro mais profundo, cheio de malícia, coube a Michel Temer. Por que sondar o jurista com a certeza dele ser o escolhido, caso aceitasse, se no fundo o convite poderia estar encobrindo manobra política de péssimo conteúdo, para enganar os partidos e o Congresso Nacional? Acresce o constrangimento com que recebeu a negativa telefônica. Se a convocação do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal era de mentirinha, como não deixar claro desde o início?

Vexame também deu a imprensa, tomando como verdadeira a montagem e não adotando a cautela sempre obrigatória nesses episódios? Outros também incursos nesse festival de enganações foram os conhecidos e os ocultos porta-vozes e auxiliares do palácio do Planalto, que induziram os repórteres em erro ao confirmar a indicação de Carlos Velloso.

Em suma, se não foi uma trapalhada, pior ainda. Teria sido uma armadilha de aprendiz de feiticeiro para brincar com seus interesses menores, de não indicar logo o preferido, que conheceremos nos próximos dias.  O Brasil é assim mesmo…

FORO PRIVILEGIADO – O Congresso, o Supremo Tribunal Federal e a torcida do Flamengo são contra o foro privilegiado para julgamento de parlamentares, governadores e outros cidadãos de primeira classe. Por que não agem de imediato, ou melhor, por que não agiram há tanto tempo? Agora, derramam-se em opiniões confusas e prolongadas, apenas para embaralhar as cartas. Ignoram que a vida é muito simples?