31.3.17

1 - CNI/IBOPE TRAZ NOVOS RECORDES: 72% NÃO CONFIAM EM TEMER E 64% DESAPROVAM MODO DE GOVERNAR; 2 - JUSTIÇA DECRETA PRISÃO DE PROTÓGENES QUEIROZ

REDAÇÃO -


Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI)/Ibope sobre a avaliação do governo de Michel Temer até dezembro do ano passado, divulgada nesta sexta-feira, 31, traz novos recordes.

. 72% não confiam em Michel Temer. No último levantamento, em setembro do ano passado, eram 68%.

. 64% desaprovam o modo de governar de Michel Temer, índice que também subiu em relação à pesquisa de setembro, que registrou percentual de 55%.

. Entre os que têm renda familiar superior a 5 salários mínimos, o percentual dos que avaliam o governo como ruim ou péssimo cresceu 16 pontos percentuais entre setembro e dezembro.

. Em setembro, esse grupo apresentava um percentual de ruim ou péssimo de 33% para o governo Temer. Em dezembro, o percentual subiu para 49%.

. No Nordeste, apenas 9% afirmam que o governo é bom ou ótimo.

***
Justiça decreta prisão de Protógenes Queiroz

Justiça Federal decretou a prisão do ex-delegado e ex-deputado Protógenes Queiroz após ele faltar a mais uma audiência para informar como ele deverá cumprir penas restritivas de direito de sua condenação.

A defesa do ex-delegado afirmou que ele não podeira comparecer por estar asilado na Suíça. No entanto, para a juíza federal Andréia Moruzzi, da 1ª Vara Criminal de São Paulo, a defesa do acusado não conseguiu comprovar essa condição.

“Ao contrário do aduzido, de que caberia a este Juízo oficiar à Suíça, via diplomática, para obtenção dos documentos sobre o pedido de asilo, entendo que cabe à defesa fazer prova da situação do apenado, haja vista que o sigilo do suposto processo de asilo político não recai sobre seu próprio requerente”, afirmou a juíza.

Andréia Moruzzi também afastou a alegação de nulidade da Carta Rogatória para intimar Protógenes Queiroz desta última audiência, que foi marcada para o dia 6 de março. Segundo a defesa, a rogatória expedida não obedecia aos requisitos determinados pelo Ministério da Justiça.

Para a juíza, no entanto, as regras citadas se referem à expedição de Carta Rogatória para intimação de réu para audiência de interrogatório, o que não é o caso. “Certo é que o apenado já está amplamente cientificado que deve à Justiça o cumprimento da pena imposta, visto que foi intimado pessoalmente quando de sua condenação, sabendo, principalmente por se tratar de pessoa do meio jurídico, que deveria, como passo subsequente ao trânsito em julgado da sua condenação, dar início ao cumprimento da pena”, complementou a juíza.

Assim, por entender que Protógenes Queiroz não pretende colaborar com a Justiça e cumprir sua pena, a juíza determinou a conversão da pena restritiva de direito aplicada em restritiva de liberdade, expedindo o mandado de prisão do ex-delegado.

A sentença que condenou Protógenes, assinada em 2010 pelo juiz Ali Mazloum, transitou em julgado no ano passado. O Supremo Tribunal Federal manteve parte da decisão que o considerou responsável por vazar informações sigilosas para concorrentes do banqueiro Daniel Dantas — por ele investigado — e para a imprensa.

O ex-delegado foi condenado a 3 anos e 4 meses de prisão em novembro de 2010, mas a pena foi substituída por restrições de direitos. No entanto, o ex-delegado e sua defesa faltaram às audiências marcadas para informar como ele deverá cumprir penas restritivas de direito e não prestaram explicações à Justiça sobre o motivo. (via Conjur)