2.3.17

1 - NOVO MINISTRO ALOYSIO É OUTRO INVESTIGADO NO STF POR CRIME ELEITORAL; 2 - TSE INTIMA PSDB SOBRE DOAÇÕES DA ANDRADE GUTIERREZ A AÉCIO; 3 - Padilha não tem previsão de alta da cirurgia para retirada da próstata

REDAÇÃO -


Escolhido pelo presidente Michel Temer para o Ministério das Relações Exteriores, o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) vai reforçar a fila de investigados do governo. Em setembro do ano passado, o ministro Celso de Mello, do STF, determinou a abertura de inquérito contra o tucano para apurar envolvimento em possível crime eleitoral de falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

A investigação foi aberta com base em delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa que disse à Procuradoria-Geral da República (PGR) que Aloysio teria recebido R$ 300 mil de forma oficial e R$ 200 mil em dinheiro de caixa dois para sua campanha ao Senado em 2010. O empresário afirmou que as doações, oficiais ou não, eram pagamentos de propina para obtenção de contratos com a Petrobrás. (via Estadão)

***
TSE intima PSDB sobre doações da Andrade Gutierrez a Aécio

O ministro Napoleão Maia, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou que o PSDB se manifeste sobre o depoimento do executivo Otávio Marques de Azevedo, ex-presidente da construtora Andrade Gutierrez, que disse ter feito doações não declaradas à campanha presidencial de Aécio Neves, em 2014.

O magistrado atendeu a uma petição feita pelo PT em dezembro, dentro do processo que julga as prestações de contas da campanha de Aécio Neves. A solicitação do ministro do TSE foi feita depois de Azevedo, que é também um dos delatores na Operação Lava-Jato, ter prestado depoimento dentro da ação que julga irregularidades da chapa Dilma-Temer, que é relatada pelo ministro Herman Benjamin.

Azevedo deu dois depoimentos a Benjamin, um em setembro e outro em novembro do ano passado. Na segunda oitiva, o executivo afirmou que as doações eleitorais feitas pela Andrade Gutierrez tanto à chapa Dilma-Temer como a Aécio Neves não estavam vinculadas a qualquer contrapartida nem ao pagamento de propina.

No entanto, Azevedo retificou o que havia dito anteriormente, afirmando que o valor total das doações da empresa à campanha de Aécio Neves foi de R$ 19 milhões, maior do que os R$ 12,6 milhões que constam no sistema do TSE, o que motivou a petição do PT e a ordem de esclarecimentos feito agora no processo que julga as contas do então candidato tucano.

No despacho datado de 24 de fevereiro, Napoleão Maia deu o prazo de três dias para o PSDB explicar as declarações de Azevedo, contados a partir da notificação do partido. (…) (via Valor)

***
Padilha não tem previsão de alta da cirurgia para retirada da próstata

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, não tem previsão de alta da cirurgia a que se submeteu na segunda-feira, dia 27 de fevereiro, para retirada da próstata. Boletim divulgado na noite desta quarta-feira (1º de março) pelo Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, diz que Padilha está “em recuperação, dentro da normalidade”.

O retorno do ministro ao trabalho estava previsto para segunda-feira, dia 6, mas sua licença será ampliada. O presidente Michel Temer aproveitará esse período para avaliar se a crise política envolvendo Padilha vai ou não arrefecer, mas a volta do ministro já é considerada incerta. (via Estado de Minas)