6.3.17

1 - PEDIDO DE PLEBISCITO SOBRE VENDA DA CEDAE JÁ TEM MAIS DE 26 MIL ADESÕES; 2 - Deputados do PMDB se insurgem contra caciques do partido; 3 - Gaspari: transposição do São Francisco está para Lula como Brasília para JK

REDAÇÃO -


Após a aprovação da venda da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, antes do Carnaval, a deputada Enfermeira Rejane (PCdoB), com o apoio de mais 28 deputados deputados da casa propôs a realização de um plebiscito sobre o tema. Segundo a deputada Enfermeira Rejane, assunto tão polêmico, que tem gerado protestos na cidade, precisa ser debatido por toda a sociedade fluminense.

Na internet, a organização Meu Rio promove campanha "Plebiscito da Cedae", para pressionar o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), a colocar a proposta em discussão na casa. A decisão sobre o plebiscito ainda precisa publicada no Diário Oficial para que o projeto siga para votação.

O projeto, aprovado no dia 20 de fevereiro, na Alerj apenas autoriza a venda da Cedae, como contrapartida de um empréstimo de R$ 3,5 bilhões. e segundo a organização Meu Rio, ainda há espaço para que a população seja ouvida sobre os rumos da companhia e o plebiscito garantiria que isso acontecesse.

No site da organização cerca 26.788 pessoas já aderiram à campanha, enviando e-mail para o presidente da Alerj, cobrando a realização do plebiscito. (via Rio247)

***
Deputados do PMDB se insurgem contra caciques do partido

Um grupo de deputados do PMDB quer o afastamento de 2 caciques do governo de Michel Temer do comando de funções-chave no partido: o senador Romero Jucá (PMDB-RR), presidente da sigla, e o ministro Moreira Franco, presidente da Fundação Ulysses Guimarães. Os congressistas pedem ainda o afastamento de investigados na Operação Lava Jato de cargos de chefia da legenda.

Os deputados elaboraram uma “Carta ao PMDB” e enviaram a seus correligionários. Dizem que “deveriam se afastar do comando nacional do partido e de seus órgãos nacionais auxiliares todos aqueles sobre quem pesam acusações/factíveis no âmbito da operação Lava Jato, até para que os mesmos possam se dedicar a suas defesas”.

No documento, os congressistas também propõem que o PMDB se coloque na disputa presidencial em 2018. “Nós somos o maior partido do país, temos quadros com serviços prestados e completamente isentos da Lava Jato e, portanto, nós temos condições de vencer as eleições”, afirmam. Segundo pesquisa de intenção de voto divulgada pela CNT/MDA (eis a íntegra), o presidente Michel Temer figura em 5º lugar na disputa do 1º turno com respostas espontâneas, com apenas 1,1%. (…) (via poder360)

***
Gaspari: transposição do São Francisco está para Lula como Brasília para JK


Durante o consulado petista, Lula encantou-se com a ideia de transposição das águas do rio São Francisco e transformou-a numa das joias de sua coroa. A obra demorou dez anos e custou o dobro do que se previa, salpicada por mordidas de empreiteiras. Apesar de tudo isso, uma parte do projeto está ficando pronta. As coisas boas também acontecem.

Desde janeiro, as águas do São Francisco saem do lago da barragem de Itaparica, em Pernambuco, percorrem 222 quilômetros pelo chamado Eixo Leste e entram na Paraíba. Na próxima quinta-feira (9), elas chegarão ao açude de Poções, no município de Monteiro, de onde descerão por gravidade para o reservatório de Boqueirão, que abastece Campina Grande e outras 18 cidades.

Ao contrário do que diziam os adversários do projeto, a transposição das águas do São Francisco não foi “a Transamazônica do Lula”. A ideia foi vista com um certo preconceito regional e uma greve de fome de um bispo transformou em problema algo que era solução. No capítulo dos grandes projetos petistas, o do trem-bala, que ligaria o Rio a São Paulo apanhou muito menos que o da transposição. Com uma diferença: a velha ideia das águas do São Francisco era boa e deu certo. Felizmente, o trem-bala ficou no papel.

Os quilômetros de canais que atravessam o semiárido estarão para Lula assim como Brasília está para Juscelino Kubitschek. (Também vai para a conta do estilo petista de operar, a transposição de R$ 200 milhões para o bolso de maganos metidos na obra do Eixo Leste.) (…)