27.3.17

A FALTA QUE LACERDA FAZ

CARLOS CHAGAS -


Carlos Lacerda era imbatível nos debates parlamentares, ainda que muitas vezes injusto e grosseiro. Discursava contra o governo, aliás, qualquer governo, quando foi aparteado pela deputada Ivete Vargas. “Vossa Excelência é um purgante!” disse a líder trabalhista, imediatamente contraditada: “Do qual Vossa Excelência é o efeito!”

Em outra oportunidade, o deputado Batista Ramos interrompeu novas diatribes, acentuando: “Vossa Excelência é um ladrão da honra alheia!”, ouvindo em seguida: “Então Vossa Excelência não tem nada a perder!”

Os exemplos se sucedem nos anais parlamentares de décadas atrás, com o notável tribuno humilhando colegas e arrancando aplausos de seus seguidores, no plenário da Câmara. Só não conseguiu alcançar o objetivo maior, de chegar à presidência da República. No fim da vida, perdeu até o que parecia um trampolim para chegar ao palácio do Planalto: o apoio dos militares, que ajudara a ocupar o poder. Terminou cassado, preso e obrigado a confraternizar com seus tradicionais adversários, a começar por Juscelino Kubitschek e João Goulart. – Por que se recordam episódios que o passado levou? Porque Carlos Lacerda faz falta. Imagine-se estivesse no Congresso. Não deixaria pedra sobre pedra na confusão de hoje. Do PMDB não sobraria nada. Também do PSDB, do PT e penduricalhos. Amassaria partido por partido, sem falar nos governos, de Fernando Henrique ao Lula, de José Sarney a Dilma Rousseff e a Michel Temer.

Quando se analisa o Congresso atual, sente-se a ausência de um líder que seja, preparado para influir na vida pública. Nem na privada. Nenhuma proposta, nenhum objetivo. Nada, exceção do vazio de líderes, de ideias e de partidos. Nem mesmo oradores de escol, muito menos de coragem para sensibilizar a opinião pública. Carlos Lacerda, para o bem ou para o mal, faz falta.