24.4.17

1 - DELATOR DIZ QUE CAIXA 2 ABASTECEU TREZE POLÍTICOS LIGADOS A GERALDO ALCKMIN E JOSÉ SERRA; 2 - DOLEIRO DIZ TER ENTREGUE DINHEIRO PARA OPERADOR DO GOVERNADOR PEZÃO

REDAÇÃO -


Ao menos 13 políticos próximos ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e ao senador José Serra (PSDB) receberam mais de R$ 2 milhões em caixa dois na eleição de 2010, segundo delatores.

Entre os citados, estão dois ex-presidentes da Assembleia de São Paulo, cinco ex-secretários dos governos Serra (2007-2010) ou Alckmin (2001-2006 e 2011 até hoje) e políticos próximos aos dois tucanos, que se alternam no comando do governo do Estado há 17 anos.

Dos 13 mencionados, os delatores citaram claramente que três foram escolhidos em função da proximidade aos dois tucanos. São eles: Roberto Freire (PPS), aliado a Serra, e Edson Aparecido (PSDB) e José Aníbal (PSDB), aliados a Alckmin.

Como mostra reportagem de Nathan Lopes, do UOL, em praticamente todos os casos, os políticos foram escolhidos em função de uma possível ajuda que poderiam dar em relação a interesses da empreiteira ou para estreitar laços com Serra e Alckmin.

Um dos tucanos citados como recebedores de caixa dois é o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), atual ministro de Relações Exteriores do governo Michel Temer.  Segundo o delator Carlos Alberto Paschoal, então diretor-superintendente da Construtora Norberto Odebrecht em São Paulo, responsável pela Casa Civil na época e tido como braço direito do tucano. “Aloysio tinha relevância no governo, no PSDB. Uma figura proeminente. Eu tinha uma certa simpatia por ele, por sua trajetória de guerrilheiro”, falou Paschoal sobre o candidato do PSDB ao Senado em 2010. Ele foi eleito com 11,1 milhões de votos.

Segundo o delator, como não tinha acesso ao governador, os trâmites eram feitos com Aloysio, o “segundo homem no Estado”. O secretário foi quem solicitou a doação, que foi de R$ 500 mil em caixa dois, mas não houve pedido de contrapartida, de acordo com Paschoal. (via Brasil247)

Valores recebidos como caixa 2 em 2010, segundo delatores:

Aloysio Nunes Ferreira (PSDB): R$ 500 mil; senador

Paulo Pereira da Silva (PDT): R$ 200 mil via Odebrecht e R$ 200 mil via Braskem; deputado federal

Duarte Nogueira (PSDB): R$ 350 mil; deputado federal

Rodrigo Garcia (DEM): R$ 200 mil; deputado federal

Roberto Freire (PPS): R$ 200 mil; deputado federal

Fernando Capez (PSDB): R$ 100 mil; deputado estadual

Edson Aparecido (PSDB): R$ 50 mil; deputado federal

José Aníbal (PSDB): R$ 50 mil; deputado federal

Barros Munhoz (PSDB): R$ 50 mil; deputado estadual

Campos Machado (PTB): R$ 50 mil; deputado estadual

Arnaldo Jardim (PPS): R$ 50 mil; deputado federal

Roberto Massafera (PSDB): R$ 30 mil; deputado estadual

Ricardo Montoro (PSDB): R$ 30 mil; deputado federal

***
DOLEIRO DIZ TER ENTREGUE DINHEIRO PARA OPERADOR DE PEZÃO

Em delação homologada pelo ministro do STJ Felix Fischer, o doleiro Álvaro Novis, acusado de fazer pagamentos para o Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, revelou que entregou dinheiro em espécie, mais de uma vez, para o operador Luiz Carlos Vidal Barroso, o Luizinho, indicado pelo governador do Rio, Luiz Fernando Pezão.

Amigo de Pezão há mais de 30 anos, o doleiro está preso desde janeiro pela Operação Calicute (versão da Lava-Jato no Rio). O governador já foi citado na delação da Odebrecht, na do ex-presidente do TCE Jonas Lopes de Carvalho e de seu filho Jonas Lopes de Carvalho Neto.