21.4.17

1 - JUSTIÇA QUEBRA SIGILO DE PERFIS QUE OFENDERAM ALCKMIN EM REDE SOCIAL; 2 - LULA: LÉO PINHEIRO MENTIU PARA SER SOLTO EM ACORDO NEGOCIADO COM MORO; 3 - “A GLOBO FALA TODO DIA QUE O LULA ACABOU”, DIZ O EX-PRESIDENTE A RÁDIO DO SE

REDAÇÃO -


O Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo acatou um pedido do governador do estado, Geraldo Alckmin, e obrigou o Twitter a fornecer os dados cadastrais de seis usuários que ofenderam o governador na rede social. Os usuários publicaram mensagens chamando o governador de “ladrão”, “mentiroso” e “corrupto”. Um dos perfis chamou o governador de “nazifascista”.

“Os referidos usuários não apenas compartilharam notícias divulgadas nos grandes meios de comunicação a respeito do agravado (Geraldo Alckmin) no exercício do seu mandato como Governador do Estado – o que nada tem de ilícito -, mas também expuseram seu juízo de valor, com uso de expressões que, ao menos em tese, podem configurar uma ofensa moral, dado o caráter pejorativo com que ordinariamente são empregadas”, escreveu o desembargador Teixeira Leite, relator da decisão. (via DCM)

***
LULA: LÉO PINHEIRO MENTIU PARA SER SOLTO EM ACORDO NEGOCIADO COM MORO

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acusou o empresário Léo Pinheiro, sócio da OAS, de contar nesta quinta-feira, 20, ao juiz Sérgio Moro, uma versão "acordada com o MPF" como pressuposto para aceitação de uma delação premiada que poderá tirá-lo da prisão.

No depoimento, Pinheiro disse ter sido orientado por Lula a destruir supostas provas de contribuições de campanha, que pudessem incriminá-lo na operação Lava Jato (leia mais). "Ele foi claramente incumbido de criar uma narrativa que sustentasse ser Lula o proprietário do chamado triplex do Guarujá. É a palavra dele contra o depoimento de 73 testemunhas, inclusive funcionários da OAS, negando ser Lula o dono do imóvel", diz o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, em nota.

Segundo o advogado, a versão de Pinheiro foi a ponto de "criar um diálogo", "não presenciado por ninguém - no qual Lula teria dado a fantasiosa e absurda orientação de destruição de provas sobre contribuições de campanha, tema que o próprio depoente reconheceu não ser objeto das conversas que mantinha com o ex-Presidente.

"É uma tese esdrúxula que já foi veiculada até em um e-mail falso encaminhado ao Instituto Lula que, a despeito de ter sido apresentada ao Juízo, não mereceu nenhuma providência", afirma.

Leia na íntegra a nota da defesa de Lula (via 247)

***
 “A Globo fala todo dia que o Lula acabou”, diz o ex-presidente a rádio do SE