25.4.17

FRENTISTAS DO RIO DE JANEIRO VÃO ÀS RUAS CONTRA AS REFORMAS

Via SINPOSPETRO-RJ -

Diretores do SINPOSPETRO-RJ se reuniram na tarde desta segunda-feira (24), na sede da entidade, em Vila Isabel, para organizar a adesão à manifestação contra as reformas, no dia 28 de abril.


Os frentistas do estado do RJ vão participar dos protestos da próxima sexta-feira (28) contra as reformas da Previdência, trabalhista e a Lei da Terceirização. O SINPOSPETRO-RJ aderiu ao movimento que tem por objetivo lutar contra a precarização da mão de obra e o retrocesso social no país. Os trabalhadores precisam se mobilizar para impedir que as propostas do governo Temer sejam aprovadas no Congresso Nacional. Desde a semana passada os diretores do sindicato distribuem nos postos de combustíveis do estado panfletos convocando os trabalhadores para a grande manifestação do dia 28 de abril, que será realizada em todo o país.

De acordo com o presidente do sindicato, Eusébio Pinto Neto, só com união a classe operária conseguirá barrar as medidas do governo prejudiciais a toda a sociedade. Ele diz que o trabalhador do Rio de Janeiro tem um compromisso com a democracia e por isso, precisa ir às ruas para garantir o sucesso da manifestação. “O Rio de Janeiro é a vitrine do país. O que acontece na cidade repercute no mundo. Portanto, temos obrigação de ir às ruas para impedir que nos retirem direitos conquistados com muita luta”, completa.

Eusébio Neto destaca que o projeto de reforma trabalhista proposto pelo governo agride a Constituição Federal, porque propõe um sistema novo das relações individuais de trabalho no Brasil. E o que é mais grave, com a precarização da mão de obra o modelo de proteção social, que ampara à sociedade brasileira ao longo de décadas, está gravemente ameaçado. Eusébio Neto diz que quem ganha com a reforma trabalhista são os empresários, que representam o capital. O presidente do SINPOSPETRO-RJ afirma ainda, que a reforma trabalhista, ao contrário do que o governo propaga, não vai gerar novos empregos, nem promover o desenvolvimento econômico do país. “Essa reforma é uma mentira e o trabalhador precisa acordar e aderir às manifestações, antes que passe a viver de forma miserável, pois não terá mais direitos e nem a quem recorrer. A reforma trabalhista tem como único objetivo tornar legal, o que a Justiça Trabalhista hoje considera ilegal”, conclui.

Com relação à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da previdência, o presidente do SINPOSPETRO-RJ, diz que os trabalhadores que estão mais perto de se aposentar estão preocupados com as mudanças, enquanto os jovens que serão os mais atingidos, infelizmente, ainda não tomaram consciência da gravidade da situação. Eusébio Neto revela que os frentistas serão duramente afetados pelas mudanças na previdência, porque para terem direito a aposentadoria especial terão que comprovar que os agentes químicos nocivos à saúde, os deixaram doentes ao longo dos anos de trabalho. “ Um absurdo que tem que ser rechaçado e para isso a categoria tem que reagir e ir às ruas contra as reformas”.

Na sexta feira (28), os frentistas do Sul do estado participarão de manifestação pela manhã nas cidades de Volta Redonda e Barra Mansa. Na cidade do Rio de Janeiro, os diretores do SINPOSPETRO-RJ vão reforçar o ato das centrais sindicais contra as reformas às 18h, na Cinelândia.

* Estefania de Castro, assessoria de imprensa Sinpospetro-RJ