14.4.17

LAVA JATO, CRIMINOSAMENTE, COM VAZAMENTOS SELETIVOS, INVENTOU COMO DESTRUIR REPUTAÇÕES

EMANUEL CANCELLA -


Num país onde o direito de resposta não existe, um juiz de primeira instância, como o chefe da Lava Jato, usa e abusa do crime de vazamentos seletivos. Moro diz que investigar vazamentos é como 'caça a fantasmas'. Se Moro não contasse  com a cumplicidade do judiciário, MPF e mídia ele já teria sido afastado há muito tempo da operação.

Isso porque esses vazamentos reiterados, sem que se descubram autoria, é um pleno atestado de incompetência; em qualquer outra atividade pública ou nessas circunstâncias, o responsável é sempre o mandatário, pois mesmo que o chefe não tenha cometido o crime pessoalmente ele tem a obrigação funcional de evitar que as irregularidades sejam repetidas.

Vazamento de delação ou de processo sigiloso é crime e a Lava Jato tornou isso uma prática recorrente e nada acontece.

No Brasil da Lava Jato e dos vazamentos seletivos, foi extirpada, de nossa legislação, a presunção de inocência, a máxima de que todos são inocentes até que se prove o contrário.

Pior é que parte da sociedade age como se não tivesse nada a ver, não mexeram comigo, até ser atingido pessoalmente. Nessas horas é importante lembrar do poema de Bertolt Brecht:

Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário (...).

Muito suspeito nas ações do juiz Sérgio Moro é que nunca existiu, na ordem jurídica do país, um magistrado de primeira instância com esse poder!

 Na verdade o juiz Moro ele não tem essa prerrogativa, para absurdos, tais como:

- Grampear o telefonema do ex-presidente Lula para a presidenta Dilma;
- Fazer acordos internacionais: “Moro confessa que tem “acordo de cooperação” com EUA, mas que não iria falar disso (1)”
- Convocar promotores estadunidenses para investigar a Petrobrás e mandar os corruptos da Petrobrás aos  tribunais americanos para testemunhar contra a Petrobrás e o Brasil. Contra nosso país numa tese que vai resultar em multas astronômicas e  que o mundo do petróleo sabe que é falsa.

A tese dos tribunais americanos é de que a queda das ações da Petrobrás foi por conta da corrupção. Na geopolítica de petróleo é fato que a queda das ações de todas as empresas de petróleo do mundo, incluindo a Petrobrás, foi o conluio entre os EUA e a Arábia Saudita que aumentou a oferta de petróleo no mercado o que fez o preço despencar de U$ 130 para U$ 30. E Moro explicitamente colabora com essa tese em prejuízo da Petrobrás fortalecendo os tribunais americanos.

Fica claro que a missão de Moro e da lava Jato não é somente o combate à corrupção. É muito mais, a missão é enfraquecer a  Petrobrás para entregá-la aos gringos.

Se Moro combatesse corrupção jamais seria aliado do governo golpista de Michel Temer. Isso porque permite a entrega criminosa do nosso petróleo e de ativos públicos que está acontecendo na Petrobrás, agora no governo golpista e também quando Moro tenta encobrir o desvio de conduta de Temer, que agora vem à baila .

Muito bem explicitado esse conluio entre Temer e Moro está na publicação do site Tijolaço:

Foi essa situação, chocante e escusa, da qual Sérgio Moro protegeu o Sr. Michel Temer ao vetar a pergunta de número 34 da lista de questões feitas por Eduardo Cunha a ele, que transcrevo, literalmente:

34-“Vossa Excelência tem conhecimento se houve alguma reunião sua com fornecedores da área internacional da Petrobrás com vistas à doação de campanha para as eleições de 2010, no seu escritório político na Avenida Antônio Batuíra, nº 470, em São Paulo/SP, juntamente com João Augusto Henriques?”

Pois agora surge a informação precisa desta reunião: foi neste endereço, no dia 15 de julho de 2010, às 11h30. Não é preciso muito esforço, está na lista telefônica que ali é o escritório de Michel Elias Lulia Temer, telefone  3816-39XX”

As ações do juiz Moro não acabam com a corrupção, mas destroem  a Petrobrás e a economia nacional, talvez por isso que ele seja tão premiado pelos principais interessados: pela Globo, que sempre foi a favor dos ricos, poderosos e estrangeiros; como também em matérias das principais revistas estadunidenses como a Forbes e Time. Claro, os americanos estão enlouquecidos atrás do petróleo alheio, pois só tem estoque para uns três anos e fazem guerra e derrubam governos, no mundo todo, por causa disso.
Fica claro que esses prêmios de Moro não foram por conta de defesa de interesses brasileiros.

Fonte:

*Emanuel Cancella, OAB/RJ 75.300, integra a coordenação do Sindipetro-RJ e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), sendo autor do livro “A Outra Face de Sérgio Moro”