15.4.17

O JUIZ SÉRGIO MORO DEVERIA ESTAR NA LISTA DE FACHIN

EMANUEL CANCELLA -


Essa lista de propineiro já vem fadada ao insucesso, tais como:

- Sabemos que terá o mesmo destino da lista de Furnas e do mensalão tucano, pois também irá prescrever sem julgamento;

- Atém-se somente a políticos, como se somente eles fossem a desgraça do país. E o Judiciário e os setores de comunicação?

- Permitindo o criminoso vazamento seletivo, ela abre para a mídia, principalmente a Globo golpista, fazer o jogo sujo e atacar seus desafetos, sem qualquer prova e sem qualquer freio;

- Falta , na lista, o juiz Sergio Moro, porque omissão também é crime e ele protegeu Michel Temer. Omitiu-se em relação a Michel Temer, mesmo com provas, e quer atacar Lula com base em convicção. O juiz Sérgio Moro indiciou Lula corroborando com a sua tese e do chefe da Força Tarefa, Deltan Dallagnol, de que Lula é o comandante máximo da corrupção na Petrobrás, isso sem qualquer indício de prova, só a convicção de que querem tirar Lula do páreo em 2018..

Muito bem explicitada a omissão de  Moro está na publicação do site Tijolaço(1):

Foi essa situação, chocante e escusa, da qual Sérgio Moro protegeu o Sr. Michel Temer ao vetar a pergunta de número 34 da lista de questões feitas por Eduardo Cunha a ele, que transcrevo, literalmente:

34-“Vossa Excelência tem conhecimento se houve alguma reunião sua com fornecedores da área internacional da Petrobrás com vistas à doação de campanha para as eleições de 2010, no seu escritório político na Avenida Antônio Batuíra, nº 470, em São Paulo/SP, juntamente com João Augusto Henriques?”

Pois agora surge a informação precisa desta reunião: foi neste endereço, no dia 15 de julho de 2010, às 11h30. Não é preciso muito esforço, está na lista telefônica que ali é o escritório de Michel Elias Lulia Temer, telefone  3816-39XX”

Continuo achando que o comandante máximo da corrupção na Petrobrás é o tucano FHC. Nada será esclarecido, porque não  houve qualquer investigação, apesar de inúmeras denúncias contra FHC e seu filho, no  envolvimento na corrupção na Petrobrás (2). E o que reforça ainda mais minha tese de que a corrupção de aliados é permitida é que agora o também tucano Pedro Parente está liquidando a Petrobrás. Desfaz-se de ativos públicos sem licitação, “vende” tudo para quem e por quanto ele quer, incluindo até áreas do pré-sal, como é o caso do campo de Carcará, entregue a preço de um refrigerante o barril.

Pedro Parente, mesmo sendo denunciado formalmente ao MPF, em novembro de 2016, nenhuma providência foi tomada contra ele e nem se fala em investigá-lo pela Lava Jato (3).E o bota-fora continua!

Afinal, a Lava Jato tem a finalidade de investigar a Petrobrás ou de proteger golpistas, principalmente tucanos?

Essa investigação da Lava Jato, na Petrobrás, nunca foi para acabar com a corrupção, na verdade trata-se de uma tática maquiavélica de enfraquecer a empresa para viabilizar sua entrega aos gringos.

Fonte:

*Emanuel Cancella, OAB/RJ 75.300, integra a coordenação do Sindipetro-RJ e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), sendo autor do livro “A Outra Face de Sérgio Moro”