30.4.17

VANGUARDA DESPOJADA [VÍDEO]

MARCELO MÁRIO DE MELO -



Poesia: Vanguarda Despojada

Nenhum poder supremo sobre a terra
somente se aceitando
as maiorias reversíveis
no dia a dia.

Nada de Salvador da Pátria
Patrono da Justiça
& Pai dos Pobres
de anel no dedo
macacão de fábrica
enxada ao ombro
livro sagrado
ou fuzil
na mão.

Nada de vanguarda entronizada
autointitulada
mas que a vanguarda se exerça
na plantação
e se desmonte
na colheita
cama desfeita
apontando leitos livres.

Se nada que é humano é perfeito
que tenha o povo o elementar direito
do ensaio e erro
atento ao canto
dos galos na cabeça.

Que a vanguarda cumpra o seu ofício
como quem ensina o alfabeto
e se afasta
pois sem vanguarda
ninguém aprende a ler
e com vanguarda invasiva
ninguém escolhe livre
os seus livros
nem conta escreve e segue
a própria história.