25.5.17

1- SECRETÁRIA DE DORIA PEDE DEMISSÃO APÓS AÇÃO NA CRACOLÂNDIA QUE CHAMOU DE “DESASTROSA”; 2- CHACINA EM REDENÇÃO (PA) DEIXA PELO MENOS 10 POSSEIROS MORTOS; 3- POLICIAIS ATIRAM EM MANIFESTANTES EM BRASÍLIA [VÍDEO]

REDAÇÃO -



A secretária municipal de Direitos Humanos de São Paulo, Patrícia Bezerra, comunicou na noite desta quarta (24) ao prefeito João Doria (PSDB) que está deixando o cargo.

Ela entregou carta ao prefeito na qual informa sua “decisão em caráter pessoal e irrevogável” de sair da função, que ocupava desde o início da gestão, em janeiro.

Em vídeo que veio a público mais cedo, Patrícia diz em uma reunião com representantes de movimentos sociais que a operação de domingo (21) na cracolândia foi “desastrosa”.

“Agora a besteira já está feita”, afirmou no encontro. A gravação foi publicada pelo site da revista “Carta Capital”.

“Estou incomodada tanto quanto vocês. Também acho injusto”, disse Patrícia aos participantes.

A secretária deixou claro para o prefeito que discorda da forma como a ação foi feita e que considera estar havendo violações de direitos.

“Diante das dificuldades que tenho enfrentado há algum tempo para dar prosseguimento à agenda de direitos humanos e ao atendimento humanizado à população mais vulnerável de São Paulo, deixo o cargo, mas nunca a convicção em uma cidade que garanta o respeito à pessoa humana”, escreveu Patrícia no texto entregue a Doria. (…)

***

Chacina em Redenção (PA) deixa pelo menos 10 posseiros mortos

Conforme informações preliminares, dez posseiros – sendo 9 homens e 1 mulher – foram assassinados durante uma ação de reintegração de posse de um acampamento situado na Fazenda Santa Lúcia, no município de Pau d’arco, no Sudeste do estado do Pará. A reintegração era realizada pelas Polícias Civil e Militar de Redenção.

As dez vítimas foram mortas na manhã desta quarta-feira, 24 de maio, durante o cumprimento de uma ação de reintegração de posse determinada pelo juiz da Vara Agrária de Redenção. Ainda segundo informações iniciais, o magistrado determinou que essa ordem fosse cumprida por policiais militares e civis. O juiz não se atentou para as orientações que constam na Cartilha da Ouvidoria Agrária Nacional e nas diretrizes do Tribunal de Justiça, que determinam que esse tipo de ação seja realizada por Batalhão da Polícia Militar especializado nestas situações.

Leia a íntegra da matéria no site da Comissão Pastoral da Terra

***


Policiais atiram em manifestantes em Brasília