11.5.17

A LAVA JATO E O GOLPE, NOTAS DO ALÉM

Por ARTHUR FERRARI -


O ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto da Costa o delator pioneiro da Lava Jato. Este, desde há muito solto, vive em mansão em Itaipava/RJ, bem de vida, sequer mais tornozeleira o monitora. Seus familiares envolvidos com provas, nunca foram presos. O meliante público, agora vive em processo de delação premiada contra a Petrobrás nos USA, suspeita-se que troca informações estratégicas do setor petróleo brasileiro por visto definitivo para a família ir morar lá, incógnitos.

O ex-presidente da Transpetro, grupo Petrobrás, Sérgio Machado, aquele que grampeou e denunciou todos os golpistas e corruptos que sempre lhe patrocinaram. Nunca foi preso, rico, vive em Fortaleza em mansão, embora pareça clube. Seus ex-protetores seguem no poder, impunes.

Cláudia Cruz e filhas do Eduardo Cunha, aquele que ganhou U$5 milhões de gorjeta para obrigar a Petrobrás a comprar um campo de petróleo seco na África. Um pequeno valor comparado às demais contas secretas já denunciadas pelo ministério público da Suíça. Seu marido Eduardo Cunha foi presidente da Câmara dos Deputados, aliado do próprio Mishell Shell Temer, que em entrevista recente na TV confirmou a chantagem do impeachment contra Dilma para ele não ser enquadrado pelo Conselho de Ética. Mas havia uma missão a cumprir. Sua família toda continua solta. Por que será?

Pedro Barusco, ex alto executivo da Petrobrás, 2ª delator da Lava Jato confessou ter roubado US$ 100 milhões, nunca foi preso. Imagina o que não confessou. Vive no roteiro São Conrado/RJ x Angra dos Reis, em 'dolce far niente'.

Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sérgio Cabral, já vive em prisão domiciliar para cuidar dos seus pobres filhos.

Eike Batista preso, mas já foi solto recentemente de Bangu/RJ.

Tudo, tudo, muito além dos fatos óbvios e repugnantes da corrupção direta ou indireta que envolve o petróleo e empreiteiras nacionais para manutenção de poder político e enriquecimento familiar local. O pré-sal foi descoberto pela Petrobrás e está sendo entregue aos estrangeiros. A Petrobrás em desmonte. Nada de novo, onde o petróleo é descoberto, em grande quantidade, há forças e manipulações obscuras ou declaradas para sua apropriação, sobretudo pelo capital estrangeiro.

André Esteves o banqueiro BTG Pactual, denunciado pelo Senador Delcídio do Amaral, cúmplices, foi preso e rapidamente solto. O único banqueiro denunciado. Continua rentista no BTG e com prestígio em recuperação. O senador nunca foi preso.

Enquanto isso penitenciárias brasileiras denunciadas internacionalmente como masmorras de pobres, abarrotados de presos por delitos pequenos, sem sequer um julgamento inicial.

Vide a história destas e dos seus governos algozes. Por fim e por hora, alguém que conheça e reflita sobre tudo isso pode ainda acreditar no objetivo único e moralista da Lava Jato, a despeito de tantos fatos e contexto histórico?

A Lava Jato ainda está muito mal contada e encaminhada para o senso comum dos brasileiros. No máximo desconfiam de algo, sem noção básica contextual. Corrupção é fichinha comparada à história das petroleiras e empreiteiras transnacionais, bancadas por seus poderosos países. História de golpes contra governos democráticos ou nacionalistas, guerras fratricidas e destruição do orgulho nacional dos seus povos. Vide o Oriente Médio, África e Ásia. Lá os governos destas transnacionais estão sempre por trás patrocinando suas empresas e mesmo desmascarados não as destroem, muito pelo contrário, vendem armas.

* Petroleiro, integra a direção do SINDIPETRO-RJ (gestão 2014/17)