31.5.17

FENEPOSPETRO REPUDIA ASSASSINATO BRUTAL DE FRENTISTA EM SP

Via FENEPOSPETRO -


O assassinato brutal e covarde do frentista Agenor Corrêa de 62 anos, na madrugada de ontem (30), por um grupo de portugueses, chocou os dirigentes dos Sindicatos da categoria, que estão em Brasília para debater as questões que afligem os trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência. O presidente da Federação Nacional dos frentistas (FENEPOSPETRO), Eusébio Pinto Neto, repudia o crime e diz que os frentistas estão expostos a todo tipo de perigo.

O presidente da FENEPOSPETRO, Eusébio Pinto Neto, repudia os casos de violência contra os trabalhadores de postos de combustíveis que estão expostos a todo tipo de agressão, seja verbal ou física, por lidarem diretamente com o público. Segundo ele, cabe ao poder público garantir a segurança da sociedade, mas os donos dos postos também precisam contratar seguranças para garantir a vida dos trabalhadores e dos clientes. “A violência é uma doença crônica que atinge a toda a sociedade nos dias de hoje e reflete em todos os setores, e como o posto de combustível está diretamente ligado ao público, o trabalhador infelizmente acaba sendo vítima dessa barbárie”.

ASSASSINATO

O frentista Agenor Corrêa, foi assinado por um grupo de cinco portugueses enquanto trabalhava num posto de combustíveis em Osasco, na Grande São Paulo. O frentista tentou intermediar a discussão entre um funcionário do posto e grupo de portugueses, que resistiam em deixar o local.

Além de ser esfaqueado na briga, Agenor Corrêa, foi atropelado pelos criminosos que fugiram do local após o crime. Agenor não resistiu aos ferimentos e morreu no pátio do posto. Outros dois colegas dele também foram agredidos, mas passam bem.

Os suspeitos foram identificados e já estão presos na 3º Delegacia de Polícia da cidade.

* Estefania de Castro, assessoria de imprensa Fenepospetro
(Com informações do Hora 1 e Folha de São Paulo)