22.5.17

FRENTISTAS DO RJ VÃO A BRASÍLIA PARA LUTAR PELOS DIREITOS DOS TRABALHADORES

Via SINPOSPETRO-RJ -

Frentistas saem hoje (22) do Rio de Janeiro rumo a Brasília, para pressionar os parlamentares que votam contra a classe trabalhadora. Um ônibus fretado pelos Sindicatos da categoria no estado vai levar 50 trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência para capital do país.


Os Sindicatos dos Frentistas do RJ (SINPOSPETRO-RJ) e de Niterói (SINPOSPETRO-NITERÓI) seguirão juntos para Brasília para defender os direitos dos trabalhadores ameaçados pelas reformas da previdência e trabalhista, em tramitação no Congresso Nacional. Representantes das duas entidades e trabalhadores da categoria vão partir, nesta segunda-feira (22), à noite, em caravana, liderada pela Força Sindical do estado do RJ, rumo a Brasília.

Os frentistas alugaram um ônibus para viajar até a capital do país, onde vão acampar em frente ao Congresso Nacional para pressionar os parlamentares que traem e votam contra o povo brasileiro. Os empregados de postos de combustíveis e lojas de conveniência que trabalham em ambiente periculoso e insalubre, manuseando produtos tóxicos e inflamáveis serão os mais afetados pelas reformas do governo.

A reforma trabalhista tem como objetivo a precarização da mão de obra, um risco para o trabalho no posto, já que o frentista precisa de treinamento para manusear os combustíveis. Segundo o presidente do SINPOSPETRO-RJ, Eusébio Pinto Neto, a precarização da mão de obra nos postos de combustíveis põe em risco de acidente toda a população. “A reforma trabalhista anula as normas regulamentadoras de segurança e saúde no ambiente laboral, já que o projeto legaliza diversos tipos de contratação, inclusive por hora de trabalho, o que vai aumentar o risco de acidentes”, completa.

O presidente do SINPOSPETRO-NITERÓI, Alexsandro Silva, especialista em previdência, critica o PEC 287/2016, em tramitação na Câmara dos Deputados, que acaba com a aposentadoria especial do frentista. De acordo com ele, os trabalhadores de postos de combustíveis estão sujeitos a doença ocupacional que sempre foi equiparada ao acidente de trabalho, mas com a aprovação da proposta, o trabalhador terá que comprovar que a exposição causou danos à sua saúde. Alexsandro diz que a aposentadoria especial é uma espécie de benefício diferenciado, que tem por objetivo proteger o trabalhador que por muitos anos trabalhou exposto em ambientes insalubres e perigosos. “A aposentadoria especial não é um privilégio, mas um reconhecimento de uma realidade incomun e corresponde a um percentual muito pequeno em relação ao total de benéficos concedidos pelo INSS” afirma.
Além dos frentistas, trabalhadores de várias categorias chegarão a capital Federal até quarta-feira (24), quando será realizado o grande protesto das centrais sindicas, o “Ocupa Brasília”.

REFORMAS

O relator da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), promete apresentar, amanhã (23), o seu parecer ao colegiado.

A reforma da previdência já passou pela comissão especial, mas ainda não tem data para ser votada no plenário da Câmara dos Deputados. A proposta enfrenta resistência até mesmo dos parlamentares da base do governo. Para virar o jogo contra os trabalhadores, o governo joga pesado na negociação com os partidos políticos.

* Estefania de Castro, assessoria de imprensa Sinpospetro-RJ