12.5.17

FRENTISTAS VÃO A BRASÍLIA DEBATER CONJUNTURA NACIONAL E REESTRUTURAÇÃO DO MOVIMENTO SINDICAL

Via FENEPOSPETRO -

Dirigentes dos frentistas de todo o país vão se reunir no fim do mês, em Brasília, para debater as questões da categoria e do setor.


O maior desafio para os dirigentes dos Sindicatos dos Frentistas em todo o país hoje, é desenvolver um método de ação sindical que promova a conscientização dos trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência. Esse será um dos temas do Encontro dos dirigentes da Federação Nacional dos Frentistas (FENEPOSPETRO), que acontece, nos dias 31 de maio e 1º de junho, na Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC), em Brasília.

O presidente da Federação, Eusébio Pinto Neto, se reuniu nesta quinta-feira (11), com a comissão organizadora para definir as ações que serão desenvolvidas pelos Sindicatos dos Frentistas contra o desemprego, a precarização da mão de obra, as reformas trabalhista e da previdência e o desmonte do movimento sindical. Os presidentes dos sindicatos do Distrito Federal, Carlos Alves, de Belo Horizonte (MG) , Possidônio Oliveira, do Espírito Santo, Wellington Bezerra e o assessor jurídico da (FENEPOSPETRO), Hélio Gherardi, que formam a comissão organizadora, elencaram os pontos da proposta que será apresentada na plenária da categoria.

Eusébio Neto alertou que é preciso criar ferramentas de informação para ajudar na conscientização dos trabalhadores. Segundo ele, a informação é um instrumento de aglutinação e poder. O trabalhador consciente participa mais das ações do sindicato e fortalece a luta por direitos. O presidente da FENEPOSPETRO disse que é preciso desenvolver um método de ação sindical para derrubar as barreiras e colocar em prática as propostas tiradas nas plenárias da categoria.

No dia 31 de maio, ocorrerão duas reuniões simultâneas entre 8h e 13h. Enquanto os advogados dos sindicatos filiados à Federação debaterão as questões jurídicas da categoria, o desdobramento das reformas e o direito constitucional, a diretoria Executiva da FENEPOSPETRO vai analisar os problemas inerentes da administração e a adequação da entidade a nova realidade econômica do país.

Para esclarecer os dirigentes sobre as manobras do governo para retirar direitos e as suas consequências para os trabalhadores, o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) fará, no primeiro dia do encontro, uma palestra sobre a atual conjuntura política do país.

JURÍDICO

Na plenária geral, às 15 h, com os delegados, dirigentes e os presidentes dos sindicatos, o advogado Hélio Gherardi, apresentará um levantamento das principais ações jurídicas em andamento no país. O advogado fará ainda, uma explanação sobre as reformas trabalhista e da previdência e as consequências para o movimento sindical. O Custeio sindical e a representatividade dos sindicatos por categorias também serão debatidos com os sindicalistas.

Para Hélio Gherardi, o fim do custeio sindical tem por objetivo estrangular os representantes dos trabalhadores, que sem fonte de custeio terão sérias dificuldades em cumprir com o seu dever.

MOVIMENTO SINDICAL

Na reunião de ontem, o presidente da FENEPOSPETRO afirmou que o atual movimento sindical esgotou. Ele declarou que o sindicalismo precisa repensar suas propostas e reinventar um modelo para se adequar as novas normas. Eusébio Neto lembrou que o governo está patrocinando o desmonte do movimento sindical e que por isso, as entidades de classes precisam renovar suas ações. “Sem custeio, as federações e confederações acabam e os sindicatos ficam sem ter quem representar. O movimento sindical não pode envelhecer, ele precisa se reciclar constantemente, para enfrentar os embates e sobreviver aos ataques do patronato”, frisou.

NEGOCIAÇÃO

O rito das negociações salariais também será abordado na plenária do dia 31. A categoria tem características próprias que dificultam a mobilização dos trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência. A pulverização e a alta rotatividade nos postos de combustíveis são grandes desafios para os dirigentes dos frentistas. Eusébio Neto citou que a força do sindicato está na união da classe trabalhadora, e, infelizmente, nem toda a categoria tem consciência de classe.

SETOR DE COMBUSTÍVEIS

No dia 1º de junho será realizado o encontro do setor de combustíveis com a Força Sindical. Na ocasião, um diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) fará um panorama do momento político e econômico do país. Mesmo os sindicatos não filiados à Força serão convidados para discutir as questões do setor.

* Estefânia de Castro, assessoria de imprensa Fenepospetro