11.5.17

NEGOCIAÇÃO DOS FRENTISTAS DO MUNICÍPIO DO RJ SERÁ RETOMADA HOJE NO MT

Via SINPOSPETRO-RJ -

Para tentar resolver o impasse da negociação salarial dos trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência do município do RJ, que têm data-base em 1º de março, a diretoria do SINPOSPETRO-RJ recorreu ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).


Após cinco rodadas de negociação, continuam indefinidos os debates das cláusulas da Convenção Coletiva 2017/2019, dos cerca de dez mil trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência do município do Rio de Janeiro. Apesar da diretoria do SINPOSPETRO-RJ flexibilizar para avançar nas negociações, os patrões se mantêm irredutíveis e propõem apenas 4,75% de reajuste salarial. A proposta, rejeitada pela diretoria, representa a inflação acumulada no período de março e 2016 a fevereiro de 2017. Nesta quinta-feira (11), acontece uma reunião de mediação no MTE entre patrões e empregados.

O sindicato luta por um aumento real nos salários e por novas conquistas na Convenção. O presidente do SINPOSPETRO-RJ, Eusébio Pinto Neto, diz que o trabalhador precisa participar das ações da entidade para fortalecer a categoria. “O trabalhador não entende que a demora no fechamento do acordo, acontece justamente porque o sindicato está brigando por melhores condições de salários e trabalho. A luta faz parte da conquista, por isso temos que nos unir para vencer esse impasse”, completa.

Com a reunião no MTE, o presidente do sindicato espera que as empresas melhorem a proposta de aumento e acabem com o impasse na negociação. Segundo Eusébio Neto, o setor de combustíveis continua aquecido com o aumento da venda de gasolina o país. No entanto, em todo o Brasil, os empresários estão usando a crise econômica para explorar ainda mais a mão de obra. Os frentistas do RJ não aceitam barganha nos salários, concluiu.

DATA-BASE - A data-base dos trabalhadores dos postos de combustíveis e lojas de conveniência do município do Rio de Janeiro está garantida até que as negociações salariais sejam concluídas.

REIVINDICAÇÃO - O SINPOSPETRO-RJ reivindica para os trabalhadores aumento salarial de 16,36%. Além do aumento salarial, os trabalhadores exigem vale-alimentação no valor de R$ 300,00, um piso salarial da categoria de Participação nos Lucros e Resultados (PLR), vale-transporte gratuito e tíquete-refeição diário de R$ 20,00, antiga reivindicação da categoria.

O sindicato também luta para incluir na Convenção Coletiva a função caixa, com pagamento de adicional para os frentistas que acumulam a responsabilidade de guardar o dinheiro da empresa.

SEGURANÇA E SAÚDE - Na pauta de reivindicação, o sindicato cobra da empresa a lavagem dos uniformes dos trabalhadores, como determina o anexo II da NR 9, em vigor desde setembro do ano passado. Eusébio Neto disse que ao levar o uniforme para lavar em casa, o trabalhador põe em risco a saúde de toda a família.

O sindicato também exige o afastamento das funcionárias gestantes e lactantes de qualquer atividade, em locais insalubres ou periculosos, a partir da comunicação do estado de gravidez ao empregador, até a liberação do médico.

* Estefania de Castro, assessoria de imprensa, Sinpospetro-RJ