9.7.17

ACUSADOS DE FRAUDAR COMBUSTÍVEIS COMANDAM DISTRIBUIDORA NO RIO DE JANEIRO

Via Rio 247 -


O governo do Rio de Janeiro, em conjunto com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), deu mais um exemplo de que ignora a transparência o cuidado com a coisa pública. Isso porque Rodrigo Luppi e Major Dirceu Luppi – filho e pai - os arrendatários da Usina Canabrava (aquela que forneceu etanol adulterado flagrado em taques da Shell, Ipiranga e Petrobras em novembro do ano passado) foram autorizados a abrir uma nova distribuidora de combustível por lá.

Velhos conhecidos das autoridades, Rodrigo Luppi e Major Dirceu estão agora à frente da Minuano, aberta em março em Duque de Caxias. Para conseguir uma concessão que opere este tipo de empresa é muito complexo, pois a legislação é dura, justamente com o objetivo de afastar adulteradores de combustível do mercado. Para este tipo de concessão, exige-se, inclusive, uma entrevista com o sócio, para que se ateste que não se trata de uma interposta pessoa. A empresa está no nome da mãe de Rodrigo Luppi, esposa do Major Dirceu.

Adulteradores conhecidos, eles foram acusados pela CPI de serem os maiores adulteradores do país em 2003. Em 2004, foram flagrados em grampo, em reportagem publicada pela revista IstoÉ, em que são informados sobre fiscalizações da ANP que aconteceriam em sua empresa.

A legislação para adulteradores é pesada a ponto de as empresas do Sindicom envolvidas na fraude de novembro de 2016 – foram 16 milhões de litros de etanol contaminado com metanol identificados na maior apreensão da história da ANP - estarem correndo o risco de perderem suas inscrições estaduais no Rio de Janeiro, a pedido do Ministério Público Estadual. Em sua defesa, as três companhias apontaram a culpa para a Usina Canabrava, fornecedora do combustível contaminado com metanol, uma substância altamente tóxica e capaz de matar.

Com a Minuano no mercado, a família Luppi ganha mais uma chance de faturar com combustível fraudado e enganar consumidores no Estado do Rio de Janeiro.