8.7.17

LUCIANA GENRO, A LAVA JATO E A SÍNDROME DE ESTOCOLMO

EMANUEL CANCELLA -


Fiquei buscando uma explicação para entender o porquê de você, Luciana Genro/PSOL, e sua defesa escancarada da Lava Jato e chequei à Síndrome de Estocolmo:

Síndrome de Estocolmo ou síndroma de Estocolmo (Stockholmssyndromet em sueco) é o nome normalmente dado a um estado psicológico particular em que uma pessoa, submetida a um tempo prolongado de intimidação, passa a ter simpatia e até mesmo sentimento de amor ou amizade perante o seu agressor.

A história de dinheiro do grupo Gerdal financiar sua campanha vem de longe, desde 2008. Inclusive fez o PSTU romper várias alianças estudais e nacionais com o PSOL (1).

“Viva a Lava Jato !”, você disse, mesmo denunciada por ter recebido Caixa 2 (2). É sintomático esse “Viva a Lava Jato”.

Setores da esquerda, incluindo o PT, defendem o financiamento público de campanha justamente se contrapondo ao financiamento empresarial de campanha, bem como todos os desdobramentos maléficos que esse tipo de doação traz, porque, como diz o dito popular, não existe almoço grátis! Mas esse modelo de financiamento permeia no mundo. Nos EUA, o candidato que recebe mais volume de doações de empresas é tido como provável vencedor na eleição presidencial. E, no Brasil, chama atenção que os bancos derramam mais doações de acordo com o desempenho do candidato nas pesquisas.

Para a Lava Jato as  doações para o PT é propina e para o PSDB e seus aliados é financiamento de campanha e joga isso para a sociedade com a finalidade única de desacreditar o PT.

Não tenho dúvida de que o dinheiro que o Gerdau doou para sua campanha, nela foi aplicado. Mas o que não é justo é você, após ser  delatada, passe a atacar Lula e o PT.

Transcrevo suas palavras na entrevista publicada em 23/04/17:

Sobre Lula, o fato inconteste é que ele é um traidor da classe trabalhadora, que se tornou um agente dos interesses do capital, especialmente das empreiteiras. E não só delas, também dos bancos, com certeza. Quanto a isso as provas são fartas (...) (3)

A bem da verdade, Lula acabou recebendo da Lava Jato o maior atestado de bons antecedentes que um politico brasileiro possa receber. Foi inclusive o chefe da força-tarefa da Operação, Dallagnoll, que disse, ao vivo, na Globo, que não tinha quaisquer provas contra Lula, só a convicção pessoal de que ele era o comandante máximo da corrupção na Petrobrás (4).

Dallagnol declarou isso depois de 3 anos de investigação que envolveu Lula, sua falecida esposa, seu filho, seu irmão, amigos, compadre, etc. Além disso a Lava Jato gastou rios de dinheiro e usou toda máquina do Ministério Público e nada foi encontrado contra Lula.

Você, Luciana, deve saber que não existem provas contra Lula, apenas convicções de pessoas de pessoas nem tão confiáveis!

Por que quem vai acreditar nas convicções de um procurador que transformou o Ministério Público num balcão de negócios, realizando palestras cobrando por elas R$ 40.000,00 reais cada uma?

E ainda usa para especular duas unidades do programa “Minha Casa, Minha Vida”, dirigida para os necessitados, mas que ele abocanhou (6)?

O presidente Lula é sistematicamente atacado, de forma mentirosa, pela direita. E com ajuda da Lava Jato que virou saga em prejudicar Lula, pois fornece quase diariamente vazamentos seletivos, que são crimes, para a Globo, no Jornal Nacional e Fantástico, e capas de revistas, fazendo a festa na mídia golpista. Tudo sem provas, claro!.

O que se lamenta Luciana é que você, que se diz de esquerda, faça isso! E minha indignação, que é de muitos, é que esse tipo de denúncia vazia causa um imenso sofrimento ao ex-presidente Lula e sua família e já custou a vida de sua esposa, Marisa Leticia. Esqueça a política e pense no ser humano!

É sabido também pela sociedade que a delação para ter serventia para a Lava Jato tem que versar sobre Lula, Dilma ou o PT. Pode ser que você, preocupada, já esteja antecipando sua delação.

Luciana Genro, vários companheiros da esquerda foram intimados pela Lava Jato, mas não abdicaram de suas posições e críticas a essa Operação (4). E Luciana, você infelizmente sucumbiu!

Quero crer que seu mal é patológico, conhecido como Síndrome de Estocolmo e deva ser tratado!

Fonte: 

* Emanuel Cancella, OAB/RJ 75.300, ex-presidente do Sindipetro-RJ, fundador e ex diretor do Comando Nacional dos Petroleiros, da FUP e fundador e coordenador da FNP , ex-diretor Sindical e Nacional do Dieese,  sendo também autor do livro “A Outra Face de Sérgio Moro”