31.7.17

MAIS UM ACIDENTE MOSTRA FRAGILIDADE DA SEGURANÇA NOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

EUSÉBIO PINTO NETO -

Companheiros, neste fim de semana tivemos mais um acidente envolvendo gás combustível. No sábado à tarde uma pessoa ficou ferida enquanto um veículo era abastecido com GNV, num posto da zona norte do Rio de Janeiro e a bomba de gás explodiu.


Com este acidente sobe para treze o número de explosões em postos de combustíveis no Rio de Janeiro, nos últimos três anos. Felizmente neste acidente não tivemos nenhuma vítima fatal, como ocorrido em abril num posto em São Gonçalo, quando uma mulher morreu em consequência da explosão do cilindro do carro enquanto abastecia. Na ocasião, eu estive no local e constatei que o frentista escapou da morte milagrosamente. Como não podemos e nem devemos deixar tudo a cargo do milagre, temos que analisar estes casos com muita seriedade e atenção e exigir das autoridades fiscalizadoras a criação de uma força-tarefa com todos os órgãos envolvidos na fiscalização dos postos e reforçarmos as fiscalizações porque estes números são inaceitáveis. Não podemos nos esquecer que estamos lidando com a vida de clientes e dos trabalhadores frentistas, que diariamente, estão expostos nesta atividade reconhecidamente perigosa. Não podemos deixar que os acidentes se sucedam e sirvam apenas para aumentar as estatísticas da insegurança nos postos, sem que os órgãos fiscalizadores tomem as providências urgentes e necessárias. Nós do sindicato dos frentistas fazemos a nossa parte vistoriando, diariamente, os postos e cobrando dos patrões a aplicação da NR-20, que trata da questão da capacitação profissional e gestão de segurança e saúde na atividade de manuseio e manipulação de produtos inflamáveis e líquidos combustíveis. Que este acidente sirva de alerta e, principalmente, permita que os patrões se conscientizem da importância e da necessidade de zelar pela segurança dos clientes e de todos os seus funcionários que têm que ser submetidos aos cursos de segurança e saúde. Não podemos nos descuidar e muito menos transigir na questão da segurança nos postos, porque um simples descuido pode ser fatal levando tudo pelos ares, e o que é pior, levando junto a vida de inocentes e de trabalhadores, que estão ali apenas defendendo, honesta e dedicadamente, o sustento de suas famílias.

* Texto Editorial - Eusébio Pinto Neto, presidente da Fenepospetro e Sinpospetro-RJ