23.8.17

MADRINHA DOS "GUARIMBEIROS" FUGITIVA DA JUSTIÇA VENEZUELANA CONSPIRA EM BRASILIA: DANE-SE A AMERICA LATINA!!!

Por ANDRÉ MOREAU -


A madrinha dos guarimbeiros, ex- Procuradora Geral da República Bolivariana da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, frustrada por não ter conseguido derrubar o Presidente Nicolás Maduro Moros, antes da Constituinte de 30 de julho, após fuga cinematográfica da Venezuela para a Colômbia, desembarcou no Brasil (22), para se reunir com os "expertos" procuradores do Ministério Público Federal. A missão da ex-Procuradora Díaz, continua sendo a mesma, mas agora, no laboratório dos golpistas da América Latina, a madrinha dos "guarimbeiros" deixou cair de vez sua máscara, é que a loura pretende trabalhar na elaboração do processo de crime contra a humanidade a ser protocolado junto ao Tribunal de Haia, colocando como réu o Presidente Maduro.

Aos que operam desviando o foco das informações usando a "teoria da conspiração" forjada nos EUA, cumpre ressaltar que a petição já vinha sendo encubada pela "experta" advogada Janaina Pachoal, co-autora do processo de impeachment, sem mérito, contra a Presidenta Dilma Rousseff. A madrinha dos "guarimbeiros" sabe que só atingindo o coração da Revelução Bolivariana, através desse novo plano condor de golpes de estado que usa agentes ligados ao judiciário de diferentes países, articulados por agentes de Washington, será possível controlar as economias do Continente, assim como foi tramado por Henrry Kissinger. Resta saber se a madrinha dos "guarimbeiros" vai receber mais do que os R$ 45.000 (quarenta e cinco mil reais), pagos pelo PSDB então presidido por Aécio Neves, à advogada Janaina Pachoal ou se o soldo será maior. Menor sabemos de ante mão que é a consciência.

Luisa Ortega Díaz, responderia juridicamente por favorecimento de crimes de ódio nos quais nove pessoas foram queimadas vivas, mas de cem assassinadas e trinta feridas.

Destituída da função de procuradora por traição a pátria, pelos membros da Assembléia Nacional Constituinte (ANC), por unanimidade, a Sra. Díaz, terá que explicar na justiça, porque usou a máquina pública para beneficiar a oposição em tais ações criminosas.

Dos mais de trinta crimes de ódio denunciados, ocorridos para desestabilizar a Revolução Bolivariana, apenas dois foram investigados por orientação de Díaz que depois de dezoito meses de sua posse, pediu a destituição de Magistrados objetivando favorecer mais ainda a oposição, em nítida violação da Lei Orgânica e da Constituição de 15 de dezembro de 1999.

Imediatamente após a decisão dos membros da ANC, editorias dos meios de comunicação golpistas, voltaram seus holofotes para a fugitiva que passou a acusar de corrupção, sem provas, o Presidente Nicolás Maduro, fato que hoje no Brasil não quer dizer nada, posto que está em vigor a "Teoria da convicção".

* Via e-mail. André Moreau, é Coordenador-Geral da Pastoral IDEA, Professor, Jornalista, Diretor do IDEA, Canal Universitário de Niterói, Unitevê, Universidade Federal Fluminense (UFF).