14.8.17

VENEZUELA, ARRIBA

Por ANDRÉ MOREAU -


Aos incautos que reproduzem informações agressivas contra os povos da América Latina e do Caribe: não se pode esperar paz dos senhores da colonização e da guerra, de estados que historicamente geraram ódio com o extermínio de povos nativos, livres e independentes.

As recentes ameaças bélicas feitas pelo presidente Donald Trump são oriundas de uma doutrina criada nos EUA em 1823 que prevê a colonização do Continente por parte do Estado norte-americano que objetiva explorar as riquezas naturais, intitulada, doutrina Monroe, aperfeiçoada pelo relatório do diplomata alemão, radicado nos EUA, de origem judaica, Henry Kissinger.

Cumpre ressaltar que o Continente era habitado pelos nossos descendentes indígenas, falantes de línguas distintas, antes das colonizações, britânica, francesa, espanhola e portuguesa que com diferentes graus de violência, dizimaram boa parte dos povos, inclusive a partir da substituição da língua nativa pela estrangeira (glotocídio), o que gera a perda de identidade e pode levar ao suicídio coletivo.

As técnicas de dominação dos povos nativos partiram da substituição das línguas e foram pensada e colocada em prática por Padres da Santa Inquisição. O glotocídio embasou todos os golpes praticados posteriormente por membros dos estados da Espanha, Portugal e Estados Unidos da América que a partir do relatório Kissinger, passou a manipular os alimentos, dentre outras formas de controle e exploração dos povos. 

Atualmente o Estado norte-americano financia grupos paramilitares que entram na Venezuela entre migrantes colombianos, objetivando gerar conflitos, mas para o Presidente Nicolás Maduro, ao contrário de ódio, a postura adequada é de solidariedade: "Amamos tanto al pueblo colombiano que aquí viven más de cinco millones de colombianos".

O Método Paulo Freire de educação foi o mais eficiente instrumento de alfabetização utilizado no Brasil, antes do golpe de 1º de abril de 1964 que em pouco tempo possibilitava a qualquer estudante entender porque era mantido como refém nessa relação de poder. Em função dos resultados obtidos com a preservação dos saberes de berço, o educador Paulo Freire foi obrigado a se exilar, para não ser preso na ditadura de 64.

O método do Educador Paulo Freire ganhou o mundo. Com base nele, Cuba erradicou o analfabetismo em 1961. O Presidente do Estado Plurinacional, Evo Morales utilizou o método "Sim, eu posso" desenvolvido em Cuba, o mesmo que havia sido usado pelo Comandante Hugo Chávez na Venezuela, em 2005. Assim o analfabetismo foi erradicado na Bolívia em 2008 (reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura - UNESCO em 2014). No Brasil, o método continua sendo aplicado por educadores do MST desde 2010, no governo Lula.

Hoje, além das riquezas naturais, com destaque para o petróleo, a República Bolivariana da Venezuela, vive uma das mais modernas democracias participativas da América Latina, com a participação de representantes de todos os segmentos sociais em decisões que visam aumentar ainda mais, a qualidade de vida da população.

A Revolução Bolivariana instituiu a democracia que mais realizou eleições no Continente. Nos últimos dezoito anos, foram vinte e uma eleições, contando a vitoriosa Constituinte de 2017. Por isso, dentre outros avanços, a Venezuela conseguiu erradicar o analfabetismo em dois anos e meio, tendo sido atestado pela UNESCO, como um país livre de analfabetismo.

Não se engane ao ler nas páginas dos jornais, ver ou ouvir em noticiários, ataques contra a Venezuela. Essas ameaças movem indústrias de mídia e bélicas. Procure informações honestas, para não ser enganado. Os meios de comunicação conservadores atendem aos interesses dos oligarcas que agem como se fossem seus proprietários. Para ficarem mais ricos eles são capazes de defender repetidamente até justificar a ameaça feita por Donald Trump, de invadir a Venezuela com forças militares.

* Via e-mail. André Moreau, é Coordenador-Geral da Pastoral IDEA, Professor, Jornalista, Diretor do IDEA, Canal Universitário de Niterói, Unitevê, Universidade Federal Fluminense (UFF).