27.9.17

1- ANP REALIZA NESTA QUARTA (27) MAIS UMA ENTREGA DO PATRIMÔNIO ENERGÉTICO DO BRASIL; 2- ESTUDO DA OIT REVELA IMPACTO DE REFORMAS TRABALHISTAS EM 110 PAÍSES: DESREGULAMENTAÇÃO E AUMENTO DA PRECARIZAÇÃO

REDAÇÃO -

Nesta quarta-feira (27), a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realiza a partir das 8hs no Windsor Barra Hotel, Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, mais uma entrega de parte do patrimônio brasileiro, no leilão pela 14ª Rodada de Licitações  que vai ofertar 287 blocos em 29 setores de nove bacias sedimentares, totalizando área de 122.615,71 Km2.

Clique para ampliar a imagem.
São aéreas que vão desde o Pré-sal como da Bacia de Santos, atualmente, a segunda maior produtora de petróleo e a primeira de gás natural do Brasil. Em julho, a bacia produziu 1,1 milhão de barris de petróleo e 5,5 milhões metros cúbicos de gás natural por dia e da Bacia de Campos, a maior produtora de petróleo e segunda de gás natural do país. Em julho de 2017, a área no litoral do Estado do Rio de Janeiro produziu 1,3 milhão de barris de petróleo e 2,2 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia; além das Bacias do Espírito Santo, Sergipe-Alagoas, Recôncavo, Potiguar, Parnaíba, Paraná e Pelotas.

A doação lesiva ao Brasil e a Petrobrás, com as assinaturas de Temer e Pedro Parente terá a participação das habitués petroleiras que gostam de moleza, como a norte-americana ExxonMobil, a norueguesa Statoil, a espanhola Repsol e a anglo-holandesa Royal Dutch Shell, entre outras. Como figurante, a Petrobrás participa da encenação.

Das aprovadas, 10 são de origem estrangeira e apenas uma, a Petronas, ainda não possui contrato para exploração e produção de petróleo e gás natural no Brasil, segundo a ANP.

Às 7hs desta quarta (27) sai uma caravana  do EDISE com  petroleiros e trabalhadores rumo ao local do leilão. (via Sinpospetro-RJ)

***
Estudo da OIT revela impacto de reformas trabalhistas em 110 países: desregulamentação e aumento da precarização

Em recente artigo, “Reforma Trabalhista no Brasil e no mundo: não estamos sós”, o sociólogo e diretor do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, faz uma análise de um estudo publicado pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) que revela que 110 países realizaram reformas legislativas laborais e de mercado de trabalho, entre 2008 a 2014.

O estudo verificou e analisou 642 mudanças nos sistemas laborais nos 110 países e, segundo Lúcio, é possível verificar que a maioria das reformas diminuiu o nível de regulamentação existente. Em seu artigo, o pesquisador destaca que em 55% dos casos, as reformas visaram reduzir a proteção ao emprego, atingindo toda a população, e tinham caráter definitivo, produzindo uma mudança de longo prazo na regulamentação do mercado de trabalho.

Do total de reformas, destacam-se aquelas que diminuem os níveis de regulação, das quais: 74% trataram de jornada de trabalho, 65% de contratos de trabalho temporário, 62% de demissões coletivas, 59% de contratos permanentes, 46% de negociações coletivas e 28% de outras formas de emprego. (via CSP-Conlutas)

Veja o artigo completo aqui.