11.9.17

1- ECONOMISTA DA AUDITORIA CIDADÃ REVELA COMO DÍVIDA PÚBLICA, AJUSTE FISCAL E REFORMAS MANTÊM O BRASIL UM PAÍS DEPENDENTE; 2- CAMPANHA PARA ANULAR A REFORMA TRABALHISTA JÁ ESTÁ NAS RUAS

REDAÇÃO -


Este ano, o dia 7 de setembro marca 195 anos da proclamação oficial da independência do Brasil. Entretanto, a cada ano, a data tem sido marcada pela denúncia dos movimentos sociais e organizações dos trabalhadores de que, ao contrário de independência, o país está cada vez mais dependente e segue sendo alvo da rapina de suas riquezas e sob domínio dos países imperialistas.

Em entrevista, o economista Rodrigo Ávila, da Auditoria Cidadã da Dívida, denuncia que a Dívida Pública consome cerca de metade do orçamento todos os anos e é fruto de um mecanismo fraudulento que a transforma numa dívida sem fim e que o país nunca deixou de aplicar as políticas determinadas pelo Fundo Monetário Internacional, que inclui as reformas neoliberais da Previdência e Trabalhista, as privatizações, cortes nos gastos sociais, entre outras medidas, que visam tirar direitos da população para enriquecer os poderosos. (via CSP-Conlutas)

Confira a íntegra da entrevista no site CSP-Conlutas

***
Campanha para anular a Reforma Trabalhista já está nas ruas

Lançada em todo país, durante as manifestações do Grito dos Excluídos, campanha vai colher 1,3 milhão de assinaturas para revogar golpe contra CLT.

As manifestações do Grito dos Excluídos, nesta quinta-feira (7) em todo o país, foram o espaço de lançamento nacional da Campanha Pela Anulação da Reforma Trabalhista, que vai coletar 1,3 milhão de assinaturas para um Projeto de Lei de Iniciativa Popular que propõe a revogação da Reforma Trabalhista de Temer, prevista para entrar em vigor no próximo dia 11 de novembro.

Após o recolhimento das assinaturas, o projeto será entregue à Câmara dos Deputados, com o lançamento de uma nova etapa da campanha, para exigir a votação da proposta. O objetivo do Projeto de Lei de Iniciativa Popular é fazer com que essa medida se some a outras 11 leis revogadas por meio desse instrumento.

A campanha pela anulação da Reforma Trabalhista foi aprovada pelas confederações, federações e sindicatos da CUT, durante o recente Congresso Extraordinário e prevê também a criação de comitês por essas entidades, para coleta de assinatura. (via CUT)

Leia a íntegra da matéria no site da CUT