20.9.17

1- EM ALTA NAS PESQUISAS, LULA VIRA RÉU DE NOVO; 2- AUTORES DE ESTUDO CITADO NA ONU DESMENTEM MICHEL TEMER SOBRE QUEDA NO DESMATAMENTO DA AMAZÔNIA

REDAÇÃO -


No mesmo dia em que pesquisa CNT/MDA apontou o ex-presidente Lula eleito presidente pela terceira vez, se as eleições fossem hoje (leia aqui), o Poder Judiciário deu sua resposta: a Justiça Federal em Brasília aceitou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra Lula e o ex-ministro Gilberto Carvalho por corrupção passiva em um dos processos da Operação Zelotes.

Com a decisão, proferida pelo juiz federal Vallisney de Oliveira, os acusados se tornam réus no processo. De acordo com a denúncia, Lula, Carvalho e mais cinco investigados são acusados de beneficiar montadoras de veículos por meio da edição de medidas provisórias. As empresas automobilísticas teriam prometido R$ 6 milhões a Lula e Carvalho em troca de benefícios para o setor, afirmam os procuradores do caso.

"Diante de tal promessa, os agentes públicos, infringindo dever funcional, favoreceram as montadoras de veículos MMC [Mitsubishi] e Caoa ao editarem, em celeridade e procedimento atípicos, a Medida Provisória n° 471, em 23/11/2009, exatamente nos termos encomendados, franqueando aos corruptores, inclusive, conhecimento do texto dela antes de ser publicada e sequer numerada, depois de feitos os ajustes encomendados", afirma o MPF. (com informações da Agência Brasil e 247)

***
Autores de estudo citado na ONU desmentem Temer sobre queda no desmatamento da Amazônia


“Trago a boa notícia de que os primeiros dados disponíveis para o último ano já indicam diminuição de mais de 20% do desmatamento naquela região. Retomamos o bom caminho e nesse caminho persistiremos”, afirmou o presidente Michel Temer, em seu discurso de abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, nesta terça-feira.

O problema é o que autores dos dados usados pelo presidente negam a informação. O governo cita levantamento do instituto de pesquisa Imazon, que realiza levantamentos mensais sobre tendências de crescimento ou queda do desmatamento na Amazônia.

À BBC Brasil, um dos pesquisadores do instituto disse que a informação apresentada a líderes mundiais por Temer é “imprecisa” e “inadequada”, e que políticas recentes do governo federal na realidade tenderiam a aumentar a destruição na Amazônia.

“Os dados que o Imazon mede mensalmente podem indicar uma tendência. Portanto, é possível que o desmatamento caia. Mas não podemos dizer 20% porque não temos a precisão que essa afirmação exige”, diz o engenheiro florestal Paulo Barreto, pesquisador associado do Imazon.

“Estes não são dados oficiais. Os dados do governo ainda não foram divulgados e parece que o presidente está comparando dados oficiais do ano passado com os nossos, de agora, sendo que as metodologias são totalmente diferentes”, afirmou.

Além disso, Barreto aponta que uma eventual redução não seria fruto de políticas públicas para a preservação do meio ambiente, como sugeriu o presidente. (via BBC Brasil)