20.9.17

1- NEGOCIAÇÃO COLETIVA NO SERVIÇO PÚBLICO PODE SER VOTADA NA PRÓXIMA SEMANA; 2- PELA CONTINUIDADE DA LUTA CONTRA REFORMAS, METALÚRGICOS CONVOCAM PLENÁRIA NACIONAL DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA PARA 29/9

REDAÇÃO -

O relator da proposição (PL 3.831/15), deputado Betinho Gomes (PSDB-PE), leu parecer favorável à matéria na Comissão de Constituição e Justiça, nesta terça-feira (19), e houve pedido de vistas coletiva.


O projeto versa sobre a negociação coletiva na Administração Pública direta, nas autarquias e nas fundações públicas dos poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.

Desse modo, a matéria deve retornar à pauta da CCJ na próxima semana para discussão e votação do relatório apresentado. Caso seja aprovado, o projeto segue à sanção presidencial, senão houver recurso ao plenário. Isto porque a matéria é originária do Senado Federal (PLS 397/15), e não teve alterações de mérito, portanto não sendo necessário nova apreciação na Casa de origem. O texto já foi aprovado pela Comissão de Trabalho. (via DIAP)


***
Para organizar a continuidade da luta contra reformas, metalúrgicos convocam plenária nacional dos trabalhadores da indústria para 29/9

Os sindicatos que compõem a campanha “Brasil Metalúrgico” realizaram uma reunião nesta terça-feira (19) para avaliar e organizar os próximos da mobilização contra as reformas do governo Temer. Os dirigentes fizeram um balanço do dia de lutas, em 14/9, e discutiram a preparação da Plenária Nacional dos Trabalhadores da Indústria para o dia 29/9.

A reunião ocorreu na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e também foi transmitida por videoconferência. Dirigentes dos principais sindicatos de metalúrgicos do país, ligados às várias centrais sindicais, como CSP-Conlutas, CUT, Força Sindical, CTB e Intersindical, deram informes sobre o dia de lutas ocorrido no último dia 14 em suas bases e avaliaram a mobilização como positiva.

Os dirigentes destacaram que ocorreram mobilizações, como assembleias, paralisações e atos unificados nas principais bases metalúrgicas do país, em estados como São Paulo, Minas Gerais, Bahia e Paraná. Destacou-se ainda a adesão de importantes categorias, como petroleiros, servidores públicos, químicos, trabalhadores dos Correios e da alimentação.

Saiba mais, leia a íntegra da matéria AQUI (via CSP-Conlutas)