15.9.17

COREIA DO NORTE FAZ NOVO LANÇAMENTO DE MÍSSIL, AUMENTA TENSÕES; PAÍS É UM DOS 5 QUE MAIS CRESCEM NO MUNDO

REDAÇÃO -

Marechal KIM JONG UN, líder da República Popular Democrática da Coreia (Reprodução).
A Coreia do Norte disparou um míssil na sexta-feira (horário local) que ultrapassou o norte do Japão, Hokkaido, e caiu no Oceano Pacífico, disseram autoridades sul-coreanas e japonesas, aumentando mais as tensões após o recente teste de Pyongyang de uma poderosa bomba H.

O míssil voou sobre o Japão, caindo no Oceano Pacífico cerca de 2.000 km a leste de Hokkaido, afirmou o secretário de gabinete do Japão, Yoshihide Suga, a repórteres.

O míssil não identificado atingiu uma altitude de cerca de 770 km e voou 3.700 km, de acordo com as Forças Armadas da Coreia do Sul - o suficiente para chegar ao território dos EUA no Pacífico, Guam. No mês passado, a Coreia do Norte disparou um míssil de área semelhante perto da capital, Pyongyang, que também voou sobre Hokkaido para o oceano.

O lançamento norte-coreano ocorre um dia após a Coreia do Norte ameaçar afundar o Japão e reduzir os Estados Unidos a "cinzas e escuridão" por apoiar uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que impôs novas sanções contra o teste nuclear de 3 de setembro, o mais poderoso até agora.

A Coreia do Norte acusa os EUA, que tem 28.500 soldados na Coreia do Sul, de planejarem invadir e ameaçar regularmente destruí-la e a seus aliados asiáticos. (com informações do portal Terra)

***
Coreia do Norte é um dos 5 países que mais crescem no mundo

A Coreia do Norte avança a passos largos, o seu desenvolvimento tecnológico, militar e científico é tamanho que nem a mídia e os agentes imperialistas conseguem mais negar.

Em 2015, o PIB da RPDC alcançou 9% de crescimento, ficando entre as 5 maiores taxas de crescimento do mundo. Os salários aumentaram 250% e 1200% nos setores público e cooperativo/familiar, respectivamente nos útlimos 10 anos. Isso equivale a um salário médio atual de aproximadamente 85 dólares (cerca de 280 reais) no âmbito estatal e 360 dólares (1184 reais) no setor cooperativo e familiar. Essa última quantia já é maior que o salário mínimo brasileiro. E claro, o poder de compra desse salário é infinitamente maior, dada a gratuidade dos sistemas de saúde, educação, moradia, os valores simbólicos do transporte público e a inexistência de gastos com segurança. Esse cenário de crescente poder de compra do salário norte coreano se verifica empiricamente em vídeos nos quais vários supermercados, shoppings e lojas de produtos eletrônicos e eletrodomésticos aparecem abastecidos e com clientela importante, bem como cada vez mais carros nas ruas e moradores utilizando celular. Evidentemente que, para existir uma oferta, é necessário que haja uma demanda, logo, é perceptível o aumento ininterrupto do padrão de consumo do povo norte coreano, associado a um conjunto de serviços públicos de boa qualidade, baixa criminalidade e um desenvolvimento tecnológico robusto, sofisticado e moderno. Lá, toda a riqueza socialmente produzida vai para a população, para a classe trabalhadora, não fica concentrada em poucas mãos, como no Brasil, onde 6 pessoas detém a mesma riqueza que metade do país. Confira abaixo o texto de Alexander Mercouris, editor do site The Duran, onde é citado o artigo do Financial Times a respeito do desenvolvimento norte coreano. (via Coletivo Lute)