12.9.17

NOVOS MEIOS QUE RESSUSCITAM VELHOS MÉTODOS CONTRA POVOS DA AMÉRICA LATINA

Por ANDRÉ MOREAU - Via blog Jornal da ABI -


Os tempos dos golpes relâmpagos em que vivemos, deflagrados a partir das ações de justiçamento e de desinformações contra presidentes progressistas de países da América Latina e do Oriente, remontam desejos neofascistas do velho sistema tirano das colônias.

As guerras em curso ou as que estão sendo armadas, passaram a ser operadas nas organizações de inteligência, com base em velhas técnicas de lavagem cerebral, das colonizações portuguesa e espanhola, por isso a luta por liberdade deve parecer inglória nos jornais conservadores, nas peças de entretenimento, propaganda e noticiários.

Os desejos dos seres humanos são estimulados com base nas mais variadas técnicas de Comunicação, inclusive com a implantação do idioma estrangeiro, visando favorecer os serviçais dos oligarcas que operam através de setores do judiciário, alçando no imaginário dos pobres (corpos) com noticiários sobre a prisão de supostos criminosos do colarinho branco, à posição de mitos, mesmo os que operam no desmonte das democracias.

O golpe dos donos do dinheiro, praticado com o impeachment, sem mérito, da Presidenta Dilma Rousseff, que jogou a população brasileira na vala comum, vinha sendo operado em escala Continental, sob o manto do combate a corrupção, objetivando atingir todos os líderes progressistas da América Latina.

A ação praticada com autorização do judiciário contra a estudante Maria Eduarda, assassinada durante a aula de Educação Física, na Escola Municipal Jornalista Daniel Piza, Fazenda Botafogo, subúrbio do Rio, é um exemplo nuclear desse sistema em curso. Choca, mas não interrompe a escalada dos meios de comunicação conservadores a serviço dos oligarcas que impulsionam ainda mais os desejos da lógica de mercado.

O "botin" arrecadado com o golpe no Brasil, o golpe que vinha sendo tramado contra a Venezuela e contra outras regiões do Continente, são ações de guerra, por isso os setores da classe que reverenciam os oligarcas, os formadores de opinião, foram adestrados para colocar os incautos contra tudo que é público. Afinal por servirem aos oligarcas donos dos meios de comunicação devem obedecer o plano de abastecer o império com todas as riquezas que os oligarcas conseguirem pilhar no Continente.

Por isso o terror para neutralizar possíveis manifestações populares diante do aumento da violência, para que apenas assistam a possibilidade de ingressarem naquele sistema, se distanciar cada vez mais, de acordo com a mudança da narrativa imposta pelas editorias dos meios de comunicação que apesar de todo retrocesso, da “ponte para o futuro” no Brasil, só trata da possibilidade dos corpos passarem do estágio de pobre, para a condição de classe média, nas propagandas de jogos da loteria.

Mas ao contrário do veloz processo de usurpação das riquezas que se desdobra no território brasileiro, a violência diminuiu com a Constituinte de 30 de julho de 2017, na República Biolivariana da Venezuela, provando que com maior participação popular nos rumos da democracia, não é preciso viver aplaudindo o dono da corda que pretende lhe enforcar.

Procurando resumir ainda mais o problema da manipulação que serve de combustível para esse sistema tirano se impor na América Latina, enquanto no Brasil as forças de segurança pública invadem favelas em treinamentos de guerra, promovendo terror, a população da Venezuela, ameaçada recentemente pelo neofascista e racista presidente Donald Trump, se prepara em treinamentos militares para defender sua soberania, participa de debates sobre o Plano de Economia Pós-petroleira e ainda festeja a vitória popular, enquanto os lacaios fogem da justiça, para tramar outros golpes em Miami.

* André Moreau, é Coordenador-Geral da Pastoral IDEA, Professor, Jornalista, Diretor do IDEA, Canal Universitário de Niterói, Unitevê, Universidade Federal Fluminense (UFF).