24.9.17

POESIAS: ELEITORALITE CRÔNICA; DEVOTOS DA MESMICE; DA MERDA AO ESTRUME

MARCELO MÁRIO DE MELO -


***

ELEITORALITE CRÔNICA

DecaDentes mordem votos
a torto e à direita
enquanto o vagão segue
desatrelado da locomotiva
devagar quase parando.

Com o baralho da mesmice sobre a mesa
mordem
mordem
mordem
sem caixa de surpresa
ante os olhos satisfeitos
de reis
rainhas
valetes
& Cia Ltda.
sentados
sobre urnas
mortuárias.

***

DEVOTOS DA MESMICE

Acordes de acordos
em velha partitura
encurralam sonhos.

Com flores de plástico
se ornamenta a sala
pondo-se o lixo
debaixo do tapete.

Na bandeja
alianças de latão
esperam o momento
de algemar os dedos.

Devotos erguem as bandeiras
põem os óculos cor de rosa
e saem em caravana
cantando antigas ladainhas

A tudo assiste do seu ninho
um pinto no ovo
que rompe a casca e grita:
“olhos novos para o novo!”