12.9.17

SETEMBRO É O MÊS DE SÃO COSME. DOIS-DOIS

LUIZ ANTONIO SIMAS -


Cosme e Damião pra mim é macumba. Fé encarnada. Minha avó recebia a Catita e minha mãe trabalhava com o Bejinho. Minhas tias eram cavalos do Joãozinho e do Martinho. Cresci brincando com a turma de Ibeji, me entupindo de suspiro, guaraná, cocô de rato e cocada com os egunzinhos das crianças. Lá no céu tem três estrelas...

Dois-Dois é festa de santo, canjira dos meninos, dia de tambor. Por isso mesmo, fica a dica: quer conhecer a força da meninada? Dá o doce, respeita a umbanda, bate cabeça no gongá, toma teu passe, raspa o fundo do tacho, deixa o corpo brincar na batida do congo de ouro, abraça o povo da gira, bota teu branquinho, se lambuza de caruru, come com a mão mesmo.

Juro que não há festa de Cosme e Damião que se compare a do mais modesto terreiro da cidade; nos cafundós, no meio do mato ou na salinha miúda. Pode apostar.

Se programa pra setembro. Leva a tua filha, filho, sobrinho, afilhada, irmãozinho, vizinho miúdo, pra brincar com erê. Leva na canjira mesmo, a mais cruzada, cheia de emanação de orixá preto, de boiadeiro laçador de vento, da linha de marujo e de caboclo da Virgem Maria.

Eu vou levar meu filho. Terreiro é casa aberta e nos quatro cantos tem morador.

Criança na guma apazigua as agonias e amacia a dureza da pedra. Refaz o mundo e alardeia a vida. (via facebook)