19.9.17

SINDICATO DOS FRENTISTAS DO CEARÁ USA A TECNOLOGIA COMO ALIADA NA LUTA EM DEFESA DOS TRABALHADORES

Via FENEPOSPETRO -

A juventude e a tecnologia aliadas a comunicação ajudam a vencer o conservadorismo dos patrões e a política de coronelismo que impera no Ceará. Para o presidente do Sindicato dos Frentistas no estado, Ardilis Arrais, o trabalhador consciente cobra mais e tem como fazer valer os seus direitos.


Para vencer a cultura patronal no Ceará, que está enraizada pelo coronelismo do Brasil colônia, o presidente do Sindicato dos Frentistas do estado, Ardilis Arrais, investe na tecnologia para conscientizar e aproximar o trabalhador da entidade de classe. Reeleito, na semana passada, com 95% dos votos, para mais um mandato de cinco anos, Ardilis afirma que para vencer o conservadorismo dos patrões também recorre à Justiça para fazer valer os direitos dos trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência do estado. Segundo ele, alguns patrões se acham acima do bem e do mal e acreditam que estão fazendo um favor ao contratar o empregado, mesmo que mal remunerado. “Esses conservadores acham que já estão fazendo muito ao pagar o piso nacional. Mas, os tempos são outros e para agilizar as denúncias da categoria, o sindicato usa tecnologia de ponta para fazer cumprir as leis”.

Ardilis acredita que a Lei da Reforma Trabalhista vai acirrar ainda mais a luta entre capital e trabalho. Para resguardar os direitos da Convenção Coletiva e obter novas conquistas, ele desenvolve ações para aproximar o trabalhador da entidade de classe. O presidente do sindicato diz que com essa união terá força para fazer com que os empresários negociem e mantenham os direitos já conquistados. Para Ardilis esse é o grande desafio hoje do movimento sindical. Para o presidente do sindicato do Ceará, o movimento sindical precisa repensar suas ações e fazer um grande trabalho de conscientização para que os trabalhadores entendam que essa reforma, além de precarizar a mão de obra e promover o retrocesso também vai trazer prejuízos ao bolso.

TECNOLOGIA - Por acreditar que a tecnologia hoje faz parte do dia a dia do trabalhador, o Sindicato dos Frentistas do Ceará investe em programas de Software para agilizar o trabalho e levar a informação à categoria. No início deste mês, a entidade lançou um aplicativo para que os trabalhadores possam acompanhar as ações do sindicato, se filiar e denunciar as irregularidades. O aplicativo no sistema android e IOS, que pode ser baixado no celular, permite também que o trabalhador faça simulações do valor da rescisão trabalhista e o cálculo da aposentadoria.

Para agilizar a filiação, o sindicato desenvolveu um programa que permite que os dados dos trabalhadores cheguem em tempo real no cadastro de novos associados. A ficha de filiação é eletrônica e os dados são transmitidos através de tablet, durante visita aos postos.

Ligado a novas tecnologias, Ardilis Arrais diz que esse é o caminho para vencer as barreiras e se aproximar ainda mais do trabalhador. Ele revela que as irregularidades no ambiente laboral também são repassadas pela plataforma digital. De acordo com Ardilis, isso tem acelerado a apuração das denúncias. Esse programa permite que o trabalhador também possa acompanhar os processos pela plataforma digital. “A tecnologia permite que o sindicato caiba na mão do trabalhador”, diz.

O sindicato também está desenvolvendo um projeto de animação didático para informar aos trabalhadores sobre a perda de direitos, principalmente para os que não forem sindicalizados.

MOVIMENTO SINDICAL - Ardilis acredita que a resistência e o conservadorismo de alguns sindicalistas acabam afastando o trabalhador do movimento sindical. “Hoje o movimento sindical é visto com desconfiança pelos trabalhadores que duvidam da credibilidade dos sindicatos. O movimento sindical e seus dirigentes têm que inovar e resgatar a luta, para mostrar aos trabalhadores que não estão à mercê da política do país que está a serviço dos grandes latifundiários, dos banqueiros e da elite”, finalizou.

Para o presidente do sindicato, os trabalhadores precisam dar uma resposta à altura nas eleições de 2018, pois caso contrário, sofrerão mais ataques do Congresso. Ele diz que cabe ao movimento sindical a missão de não deixar o trabalhador esquecer quais foram os parlamentares que votaram contra a classe operária.

CUSTEIO - Para garantir o custeio das contas do sindicato e não reduzir as ações em defesa da categoria, o presidente Ardilis Arrais intensificou o trabalho de sindicalização.

SINDICATO - O Sindicato dos Frentistas do Ceará representa 11 mil trabalhadores no estado. Além da sede em Fortaleza, o sindicato conta com duas subsedes no interior do estado.

* Estefania de Castro, assessoria de imprensa Fenepospetro