16.10.17

1- MAIA CHAMA ADVOGADO DE TEMER DE ‘INCOMPETENTE’ E ‘IRRESPONSÁVEL’; 2- STF TEM OBRIGAÇÃO MORAL DE ANULAR O GOLPE COMPRADO POR EDUARDO CUNHA [VÍDEO]

REDAÇÃO -


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), rebateu o posicionamento da defesa do presidente Michel Temer sobre a divulgação dos vídeos da delação do operador financeiro Lúcio Funaro.

Em entrevista à Folha neste domingo (15), Maia disse ser sentir agredido por Eduardo Pizarro Carnelós, que defende Temer no processo da denúncia da PGR que tramita na Câmara.

Ele chamou Carnelós de “incompetente e irresponsável” e informou que o advogado será “processado pelos servidores da Câmara”.

Os vídeos com a delação de Funaro foram disponibilizados pelo site da Câmara dos Deputados e, segundo Maia, o material, enviado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), não estava sob sigilo.

No sábado (14), após a Folha revelar o teor dos vídeos de Funaro, Carnelós divulgou nota afirmando ser “evidente que o criminoso vazamento foi produzido por quem pretende insistir na criação de grave crise política no país”. Neste domingo, ele afirmou não saber que o material estava no site da Câmara.

“Daqui para frente, vou, exclusivamente, cumprir meu papel institucional, presidir a sessão (da denúncia da PGR)”, disse Maia.

Maia, então, divulgou uma certidão assinada por Wagner Padilha, secretário-geral da Mesa da Câmara, e por Sebastião Neiva Filho, diretor do centro de informática da Casa, em que consta que os arquivos digitais que vieram anexados à denúncia “foram integralmente reproduzidos nos dispositivos entregues às defesas” do presidente Michel Temer e dos ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil), todos alvos do processo que tramita na CCJ (Comissão da Constituição e Justiça). (via Folha)

***
STF TEM OBRIGAÇÃO MORAL DE ANULAR O GOLPE COMPRADO POR EDUARDO CUNHA

A democracia brasileira foi roubada por Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, hoje condenado a 15 anos de prisão, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.A revelação foi feita pelo delator Lúcio Funaro, que o acusa de pedir R$ 1 milhão, na reta final do impeachment, para comprar mais votos de deputados contra a presidente deposta Dilma Rousseff (leia mais aqui).

Com essa revelação, confirma-se agora o que todos já sabiam: o golpe contra a presidente Dilma Rousseff e contra a própria democracia brasileira foi comprado – o que rebaixa o Brasil ao nível mais baixo de degradação institucional e moral.

Cabe agora ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, desengavetar o recurso apresentado pelo advogado José Eduardo Cardozo, que defende Dilma e pede que o STF analise o mérito do caso.

Segundo Cardozo, houve evidente desvio de finalidade e Cunha só aceitou a fragilíssima acusação por "pedaladas fiscais", porque não foi salvo pelo PT no conselho de ética – o que já foi confessado até por Michel Temer, beneficiário do golpe.

A compra de votos reforça os argumentos de Cardozo e deveria servir para devolver ao Brasil a democracia roubada.

Com a palavra, o ministro Alexandre Moraes. (via 247)

Abaixo, o momento em que Lúcio Funaro revela a compra do golpe por Cunha: