5.10.17

5 DE OUTUBRO: DIA NACIONAL DE LUTA CONTRA A EXPOSIÇÃO AO BENZENO

Via SINPOSPETRO-RJ -

Desde de 2009, a diretoria do SINPOSPETRO-RJ luta para melhorar as condições de saúde e segurança nos postos de combustíveis. No Dia Nacional de Luta Contra a Exposição ao Benzeno, celebrado nesta quinta-feira (5), o sindicato investe na orientação ao trabalhador de posto para reduzir os riscos de contaminação pelo produto tóxico e cancerígeno contido na gasolina.


Para cada mil litros de gasolina comercializados no posto de combustíveis, 1,3 litro evapora durante o abastecimento. Essa perda provoca a contaminação do meio ambiente e aumenta o risco de danos à saúde do trabalhador. Para orientar o frentista sobre o alto risco de contaminação por exposição ao benzeno, contido na gasolina, o SINPOSPETRO-RJ desenvolve várias ações de conscientização nos postos de combustíveis. Nesta quinta-feira (5) é celebrado o Dia Nacional de Luta Contra a Exposição ao Benzeno.

A data foi criada em homenagem a Roberto Krappa, funcionário de uma refinaria da Petrobras, que morreu no dia 5 de outubro de 2004, vítima de leucemia mieloide aguda, em decorrência da alta exposição ao benzeno. Ele trabalhou durante 11 anos na refinaria da Petrobras sem saber que seu organismo estava sendo, diariamente, contaminado. A data tem por objetivo conscientizar os trabalhadores que manuseiam produtos que contém benzeno sobre os riscos do agente químico, altamente cancerígeno.

COMISSÕES

Há sete anos, a vice-presidente do sindicato, Aparecida Evaristo, participa das Comissões Nacionais e Estaduais que criam as normas de segurança e saúde no ambiente laboral. Por mais de três anos, ela fez parte Comissão Nacional Permanente do Benzeno (CNPBz). Aparecida Evaristo faz parte da Comissão Nacional Tripartite Temática da NR-20 e da Subcomissão de Postos Revendedores de Combustíveis, que elaboraram o anexo II da NR 9.A portaria inclui na Norma Regulamentadora 9, que trata de Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.

PRINCIPAIS PONTOS DO ANEXO II DA NR 9

ALÉM DO LIMITE - Entrou em vigor em setembro deste ano a determinação que proíbe os cerca de 40 mil postos revendedores de combustíveis do país de abastecer o carro depois de acionada a trava de segurança da bomba de combustível.

CONTAMINAÇÃO - Os trabalhadores também estão proibidos de utilizar flanelas, estopas e tecidos similares para conter respingos e extravasamentos de combustíveis líquidos contendo benzeno. A limpeza tem que ser feita com papel toalha e o trabalhador precisará usar luva que faz parte do Equipamento de Proteção Individual (EPI).

UNIFORME - Desde setembro do ano passado, quando o anexo II entrou em vigor, os postos de combustíveis estão responsáveis pela higienização dos uniformes dos funcionários, mesmo quando as empresas encontram dificuldades para contratar lavanderias especializadas. A obrigatoriedade da lavagem do uniforme consta no artigo 11.1 do anexo II da NR 9, que trata, exclusivamente, da questão dos uniformes dos trabalhadores. A norma determina que a limpeza seja realizada, pelo menos, uma vez por semana. As empresas também terão que deixar à disposição dos funcionários um conjunto de uniformes extra para troca em situações em que haja contaminação pelo benzeno.

* Estefania de Castro, assessoria de imprensa Sinpospetro-RJ