30.10.17

NEOFASCISTAS BRASILEIROS

ADERSON BUSSINGER -


Estes dias, procurando “oxigenar” um pouco o pensamento, busquei na leitura sobre o modernismo, - movimento político-literário de vanguarda dos idos de 1922 - um pouco de história e principalmente alento ante ao conservadorismo que atualmente desponta. Mas foi para minha surpresa (ou falta de memória das excelentes aulas que tinha com minha saudosa professora de literatura Ledir em Friburgo) que me deparei nesta pequena retrospectiva literária com manifestos do movimento Verde-Amarelismo (contrapondo-se na época ao manifesto Pau-Brasil e da Antropofagia, liderados por Oswald de Andrade, Anita Mafaldi, Di Cavalcanti, dentre outros artistas). E o porquê de meu espanto? Motivo simples (e triste): estava ali também as sementes do fascismo “tupiniquim” de Plínio Salgado e de um enigmático grupo Anta...

E logo refleti como realmente o Brasil, onde o integralismo e o nazismo lograram ter considerável e massivamente adesão, possui diversos antecedentes de conservadorismo, (com adeptos no meio artístico), que realmente preocupam. E inevitavelmente também me veio à cabeça a recente lembrança das passeatas verde-amarelas da classe média em 2016 Contra a corrupção e o PT. Evidente que a maioria ali reunida não era fascista, - sei disto - mas notoriamente foram movimentos dirigidos e financiados pela Direita, grupos neo-fascistas como o MBL, FIESP, etc!

Mas deixando agora 1922 para atrás, o fato é que estou realmente muito preocupado (e mesmo angustiado) com a capacidade que, sob a bandeira anti-corrupção ou agora, por exemplo, a censura as artes, a direita igualmente corrupta, aliada a algumas igrejas evangélicas reacionárias deste país vem conseguindo nestes tempos recentes mobilizar setores sobretudo da classe média e também certos pobres que, muito mais empobrecidos, também se veem como pertencentes a este setor dito “médio” que, como sabemos, em sua ampla maioria não vive tão bem assim. Mas o que chama atenção é mesmo a capacidade de formação de mentalidades, consciências “direitistas”, conservadoras, inclusive dentre os jovens, que se opõem às liberdades democráticas; que passam a cultuar um ideal vazio e cuidadosamente fabricado de “ordem”, “autoridade”, “respeito”, “moral”, “apoliticismo”, que como também sabemos, constitui o roteiro de justificativa e propaganda de candidaturas como do ex-capitão - deputado Bolsonaro, e, de igual modo, fazem parte do mesmo ideário daqueles que, na crise econômica e social de 1964, impuseram a “saída” pela via sangrenta (e lucrativa para os empresários, banqueiros e latifundiários pro-golpe) da ditadura civil-militar iniciada pelo General cearense Castelo Branco.

Pois são exatamente nestes períodos de aguda crise economia (produzida pelas mesmas elites que depois aparecem como “salvacionistas”) que emergem das trevas (e de certos gabinetes, cofres bancários...) estas figuras esquisitas e autoritárias a apregoar o moralismo e a ordem. E sempre com “verde-oliva” remédio da “intervenção militar” para restringir a liberdade e o pouco de democracia que conquistamos nas ruas!!

Infelizmente, o PT, ao optar por governar com setores da elite corrupta brasileira como Sarney, Renan Calheiros, Cabral aqui no Rio de Janeiro, Katia Arruda, Jáder Barbalho e até se aliar a Paulo Maluf, (bem como não liderar movimento para processar e colocar na cadeia os civis e militares torturadores), acabou pavimentando o caminho para o fortalecimento destes grupos de Neo-fascistas que hoje sequer são nacionalistas como os verde-amarelistas de 1922, mas abertamente entreguistas do patrimônio nacional, além de homofóbicos, anti-intelectualidade. Trata-se do autoritarismo casado com o liberalismo!! Este, a meu ver, o maior crime do PT: deixar servir-se de pretexto para estes hipócritas da Direita, extrema-direita, reacionários de todas as “marcas”, comerciais ou não..., blogs, supostos “rebeldes” (da causa liberal), alguns se apresentando (pasmem!) como “anti-sistema”, institutos internacionais defensores da “democracia”, todos com muito dinheiro para gastar em propaganda de massa, que deram também um golpe no próprio PT, e, como consequência pior ainda, impuseram um golpe social-econômico a todo o país, sobre o qual está sendo aprofundado um dos maiores períodos de retrocesso nos direitos trabalhistas, previdenciários, indígenas, quilombolas, educacionais, ambientais, culturais, saúde e educação. E pior ainda: desejam deixar o povo sem uma alternativa que não sejam eles próprios, estes direitistas moralistas e dissimulados, os verdadeiros responsáveis por tudo isto!! E é beneficiando-se do fato de que não apresentamos uma alternativa!! 

Bem, por todos estes motivos, apesar deste lamentável estado de coisas ao qual chegamos, em pouco mais de um ano de Governo Temer&Meireles, (Meireles, este seu sombrio e entreguista ministro que além de famoso executivo financeiro era dirigente da corrupta JBS), devemos apoiar todas as lutas sociais de resistência, sobretudo da classe operária (que a meu ver consiste no setor que, se mobilizado, mais poderia nos ajudar a sair deste imbróglio em que as elites (com o apoio da iludida classe média) mais uma vez nos enfiou. E ao mesmo tempo - imprescindível - precisamos além de não desanimarmos de lutar, propor que partidos como o meu PSOL, juntamente com o PSTU, PCB, MST, MTST, se unam e apresentem urgentemente uma candidatura unitária e alternativa ao país, com um programa que se contraponha aos neo-fascistas e toda a direita, bem como seja também uma real opção a política de conciliação com (parte) das elites que segue tentando o PT. Um programa de saída pela esquerda, sim, tanto de luta popular, sindical, estudantil, como de propostas consensuais, de comum acordo nas esquerdas e movimentos sociais, que enfrentem,- do ponto de vista dos trabalhadores(as) e da maioria da população - a profunda crise na qual vivemos e que sabidamente não foi criada por nós da Esquerda socialista.

* Aderson Bussinger, advogado, conselheiro da OAB-RJ, integra o MAIS - Movimento Por Uma Alternativa Independente Socialista. Mestre em Ciências Jurídicas e Sociais/UFF, colaborador do site TRIBUNA DA IMPRENSA Sindical, Diretor do Centro de Documentação e Pesquisa da OAB-RJ, membro Efetivo da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ. Membro Efetivo do Instituto dos Advogados Brasileiros-IAB.