11.10.17

PROJETO SOCIAL TRANSFORMA VIDAS E SE TORNA ALVO DA BUROCRACIA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA [VÍDEO]

ROGER MCNAUGHT -


Rio de Janeiro, Região do grande centro – Um projeto social iniciado há alguns anos vem transformando as vidas de pessoas necessitadas na região portuária e no morro da Providência. Trata-se do projeto “A ARTE SALVA VIDAS”, coordenado pela Sra. Aldari Marques – uma pessoa que apesar de sofrer diariamente com um câncer, não deixa de olhar pelos necessitados.

O projeto, que abrange desde ajuda direta com cestas básicas para famílias necessitadas e sem trabalho em meio à crise de desemprego até cursos para adolescentes da região, conta com a participação direta de moradores da região nas mais diversas atividades. Além da ajuda provida diretamente, há espaço para artesanato e gastronomia em uma feira cuja renda é revertida diretamente para a entrega de cestas básicas e alimentação de pessoas em situação de rua.

Dentre os participantes, há mães de crianças especiais que requerem tratamentos e cuidados que só são possíveis graças à renda obtida na feira de artesanato e gastronomia promovida pelo projeto, algo que sensibiliza qualquer pessoa em sã consciência.


Porém, há algum tempo o projeto vem sofrendo consecutivas perdas em espaço para a feira, comprometendo a obtenção de recursos para a continuidade dos programas realizados na região.  Diante de documentos e evidências coletadas nos portais da prefeitura e autarquias, nota-se um desencontro de informações sobre autorização de datas de funcionamento, recusas sem maiores explicações – enquanto outras feiras são privilegiadas com local e datas mais adequadas – e total descaso para com a necessidade dos participantes.

Outro ponto curioso é que esta situação ocorre simultaneamente a outras denúncias recebidas por expositores de artesanato em outras áreas da cidade sobre valores abusivos no aluguel de tendas padronizadas e em várias denúncias aparecem nomes em comum em órgãos e autarquias ligadas à prefeitura – nomes esses notoriamente ligados a políticos do Rio de Janeiro.


Há uma clara sensação de que um projeto desta importância vem sendo deliberadamente preterido em favor de um provável “monopólio” que parece tomar conta das feiras de artesanato nas regiões do grande centro e zona sul, o qual vem se expandido rapidamente e se aproveitando da necessidade de trabalho e do suor de pessoas que apenas tentam ganhar a vida honestamente – e em alguns casos ainda abrir espaço para ajudar a quem precisa.

Já o prefeito parece ter perdido totalmente o controle sobre os “apaniguados de políticos” nas autarquias – uma vez que o mesmo inclusive em mais de uma ocasião se mostrou pessoalmente favorável ao trabalho social promovido pela Sra. Aldari e mesmo assim barreiras e burocracias são impostas de forma a sufocar o trabalho em favor de outros.

O Rio de Janeiro pede socorro.