29.10.17

RAJOY QUE NÃO SE ENGANE O POVO DA CATALUNYA NÃO SERÁ MASSACRADO COMO OS ASTECAS

Por ANDRÉ MOREAU -


Diante do desejo de independência do povo da Catalunya, ao contrário de diminuir as tensões e aceitar o diálogo tentado pelo Presidente Puigdemont, o súdito Rajoy o ameaçou com condenação a trinta anos de prisão, assim como fez contra os companheiros Jordis.

A crescente repressão imposta pelo Sr Rajoy, súdito do rei Felipe VI, responsável por colocar em prática o artigo 155 da Constituição promulgada em 1970, além de aprofundar as cicatrizes no seio da comunidade autônoma da Catalunya ressuscitando o ditador Franco, já atingida pelo aumento do trabalho precário, passa a ameaçar de interdição os meios públicos de comunicação: rádio, agência de noticia e Canal TV3, prevê também, o desmonte do que há de mais sagrado na Catalunya: a educação.

Ao que tudo indica, os imperialistas responsáveis pela brutal repressão acham que com o massacre promovido no dia 1º de outubro, as seguidas prisões e os desmontes em nome de uma suposta “unidade” da Espanha, poderão calar o combativo povo da Catatalunya, parecendo não se darem conta do que são capazes seres humanos que deram o sangue por liberdade.

O temor da União Européia nesse quadro medieval de castigos que lembra a Santa Inquisição, enfrentado com sabedoria por Puigdemont, um líder que vem demonstrando que sangrará se for necessário, mas nunca trairá seu povo, é que a Catalunya não é a única comunidade autônoma da região que deseja se libertar das amarras neoliberais desse processo de globalização. 

Por isso os povos da Biscaia, Navarra e Castela-La Mancha, preventivamente foram ameaçados pelo súdito Rajoy, mas ao contrário do que esperava o rei Felipe VI, sinalizaram que seguirão a marcha da Catalunya por independência o que provocará fraturas no processo de exploração de toda a união européia.

O futuro do Presidente Puigdemont, apesar das más línguas que se debatem entre a caça a votos e a violência das forças militares do governo central, é entrar para a História como um dos líderes da marcha pacifica por independência, mesmo que atrás das grades como Mahatma Gandhi (1869-1948), diante do poderio da Inglaterra.

A independência da Catalunya leva a reboque o desejo de autonomia de várias regiões da União Européia, gerando temor na fracassada Espanha e no resto da Europa.

Os planos de guerra fascistas da OTAN que vem sendo impostos na Europa, foram desmoralizados nos noticiários dos meios de comunicação progressistas de todo o mundo. Não há mais como esconder que na realidade funcionam como mecanismos de usurpação e de tentativas de aniquilar a riqueza cultural das nações autônomas.

O projeto bélico em curso na Europa "anti-terrorismo", como não poderia deixar de ser, faz parte dos planos de dominação do Departamento de Estado norte-americano. Basta lembrar que antes do Referendo, o Sr Rajoy se reunir com o Presidente Donald Trump nos EUA e consignou o envio de viaturas e armas para facilitar a ação dos agentes de repressão naquele 1º de outubro, mas nem assim conseguiram calar o povo da Catalunya.

*Via e-mail/André Moreau, é Coordenador-Geral da Pastoral IDEA, jornalista e cineasta, Coordenador da Chapa Villa-Lobos, arbitrariamente impedida de concorrer à direção da ABI (2016/2019) e diretor do IDEA, Programa de TV., Canal Universitário de Niterói – Unitevê, Universidade Federal Fluminense (UFF).