30.11.17

ACUSAÇÕES CONTRA PRESIDENTE LESA PÁTRIA NÃO PARAM MAS NADA É INVESTIGADO

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND -


O governo lesa-pátria entreguista de Michel Temer não deveria continuar exercendo o cargo que passou a ocupar depois do golpe parlamentar, midiático e judicial do ano passado. São muitas as acusações, que são engavetadas e que pesam sobre o lesa pátria. A última, extremamente grave, e que deveria ser investigada a fundo é a denúncia segundo a qual Temer teria favorecido fraudulentamente no leilão do pré-sal a Shell e a British Petrolium em detrimento da Petrobras. Os Senadores Roberto Requião e Lindberg Farias tomaram a frente da denúncia.

O fato já está a provocar até a mudança ortográfica do nome do presidente ilegítimo, agora sendo apresentado como MiShell e não mais com ch. O fato é grave e está sendo divulgado em vários jornais do exterior, colocando o Brasil em uma situação deveras embaraçosa. A rigor a denúncia deveria ser investigada com o máximo rigor. Mas vale também assinalar que o que vem acontecendo depois da ascensão dos golpistas ocupantes do governo não chega a surpreender.

Com a chaga entreguista de Temer e seus seguidores, o principal deles o aposentado do Banco de Boston e Ministro da Fazenda Henrique Meirelles, pode se chegar a conclusão que o braço amigo de Mishell Temer não é de todo impossível de prejudicar a Petrobras. Os golpistas na verdade vieram exatamente para isso e  não investigação da grave denúncia confirmará a tese levantada pelo cientista político Jesse Souza segundo a qual a verdadeira corrupção, a do mercado, é escondida da opinião pública, optando a mídia comercial conservadora divulgar um tipo de corrupção, grave certamente, mas que não alcança o volume feito pela verdadeira corrupção do mercado.

No caso do leilão que pode ter favorecido as mencionadas empresas multinacionais petrolíferas, a acusação certamente não será tão divulgada como outras e acusados como Mishell Temer seguirão ocupando os mesmos espaços sem a mínima cerimônia favorecendo no que estiver ao alcance do Presidente ilegítimo os grupos econômicos internacionais que cobiçam as riquezas nacionais.

É realmente vergonhoso para o Brasil que denúncias dessa gravidade não sejam investigadas e os representantes do povo, com raras exceções, nada façam. Na verdade fatos dessa natureza apenas confirmam que o combate a corrupção por aqui não é para valer, mas apenas uma bandeira para iludir incautos que se deixam facilmente enganar.

Se no país vigorasse um estado de normalidade e não de anormalidade em que o governo está entregando de mão beijada as riquezas nacionais, denúncia como a aqui mencionada envolvendo Mishell Temer seria realmente investigada com o máximo rigor, de forma independente e sem que os acusados estivessem atrás do jogo.

É o mínimo que se pode pedir, mas se não for atendido ficará confirmado que o combate a verdadeira corrupção não é mesmo para valer. As teses de Jesse Souza seguem, portanto, mais atuais do que nunca.

Em tempo: é lastimável que o ocupante da presidência da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) continue no cargo, mesmo  sendo Laerte Rimoli um interventor do governo golpista e depois dele divulgar no facebook um comentário de caráter racista contra a atriz Tais Araújo e sua família, consequentemente contra o sociedade brasileira, o que concretamente contraria a legislação referente a própriia EBC. E até porque racismo é crime previsto em lei.

Mas como o Brasil segue dominado pelo atual esquema golpista, fatos dessa natureza não chegam a surpreender, porque no momento atual, tudo é possível.

* Via site Brasil de Fato