23.11.17

DEPUTADO PAULO RAMOS COM A PALAVRA - PARTE I

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND, SOLANGE RODRIGUES e ANDRÉ MOREAU -


Em entrevista exclusiva concedida pelo Deputado Paulo Ramos, aos jornalistas, Mário Augusto Jakobskind, Solange Rodrigues e André Moreau do IDEA, programa de TV transmitido pela Unitevê - Canal Universitário de Niterói, o parlamentar esclareceu vários pontos relacionados com a votação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) sobre a decisão de não aceitar a pressão do Poder Judiciário que queria a todo custo que o plenário decidisse entrando em choque com a Constituição.

Paulo Ramos leu a decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, proferida pelo relator Desembargador Federal, Abel Gomes "(...) ainda que a minha avaliação jurídica da questão se identifique mais com os fundamentos dos votos vencidos proferidos pelos Ministros EDSON FACHIN, ROBERTO BARROSO, ROSA WEBER, LUIZ FUX E CELSO DE MELO, há que se dar cumprimento ao que recentemente decidido pelo E. STF na referida ADI, razão pela qual, executada a ordem e considerando que a investigação ainda está em curso, forme-se cópia integral desses autos a ser remetida imediatamente à Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, para que, pelo voto da maioria dos seus membros, resolva sobre a prisão, como prevê o art. 53 §2º da Constituição da República e artigo 102 parágrafo 2º da Constituição do Estado do Rio de Janeiro".

Seguindo o raciocínio transformado pela Rede Globo em um espetáculo midiático, disse o deputado que: "se os poderes são independentes e harmônicos, o judiciário com a sua independência prendeu e cumpriu a Constituição, submetendo a apreciação do Poder Legislativo que revogou, cumprindo o seu papel Constitucional. Assim como o Tribunal Regional Federal (TRF2), tem que ser respeitado, o Poder Legislativo também. Só que isso foi considerado pelo espetáculo da mídia e por tudo que está acontecendo no país, como um desaforo para com o judiciário considerando pela visão deles a gravidade dos atos praticados pelos deputados e obviamente a revolta justificada, principalmente dos servidores públicos. Trabalhadores acrescentou, que estão sem receber salários e com 13º atrasado, mas isso não pode fazer com que se admita a ditadura do Judiciário. Por isso, cumprindo a Constituição, a ALERJ decidiu e comunicou o Judiciário, para libertar Jorge Picciani, Paulo Mello e Edson Albertassi".

E Paulo Ramos complementou afirmando que "vem aí a outra interpretação: eles (Poder Legislativo) não poderiam ter comunicado diretamente. Eles tinham que ter comunicado a nós, para, vamos admitir que eles tenham razão, admitir a priori, o que é discutível. Esse não foi o primeiro caso, também não foi o segundo. Eu não entendo porque os presos devem ser alcançados por um erro da ALERJ. Não foram eles que decidiram pela soltura dos presos, nem foram eles que o prenderam".

Em relação ao que foi sugerido pelo TRF 2 sobre e intervenção federal, o Deputado Estadual Paulo Ramos pediu maiores esclarecimentos e perguntou: "intervenção aonde? É intervenção no Poder Legislativo? É intervenção no Estado? Eu não sei. É intervenção aonde? Virou moda agora Desembargador, Juiz e Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), não só dar entrevistas, mas fazer palestra, até no exterior e no caso, falando mal do Brasil".

No entender de Paulo Ramos fica cada vez mais evidente que Desembargadores, Juízes e Ministros do STF estão, por assim dizer, mordidos pela mosca da mídia comercial conservadora, que a cada dia lhes concede maiores espaços desde que se proponham a fazer cabeças de incautos e ainda esconder a corrupção real, do capital financeiro, em conluio com os próprios meios de comunicação que manipulam grosseiramente a informação em detrimento do desenvolvimento humano.

* Via e-mail/Mário Augusto Jakobskind, é Professor, Jornalista, Escritor, vice-presidente na Chapa Villa-Lobos, arbitrariamente impedida de concorrer à direção da ABI (2016/2019) e Coordenador de História do IDEA, Programa de TV., transmitido pela Unitevê, Canal Universitário de Niterói, Universidade Federal Fluminense (UFF). ** Solange Rodrigues, é Professora, Jornalista, Escritora e Coordenadora de Filosofia do IDEA. *** André Moreau, é Coordenador-Geral da Pastoral de Inclusão dos D Eficientes nas Artes (Pastoral IDEA) e Diretor do IDEA.