8.11.17

GOLPISTAS DE HOJE GUARDAM SEMELHANÇAS COM OS DE ONTEM

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND -


A ofensiva golpista para doação das riquezas nacionais prossegue sem interrupções por parte do governo golpista de Michel Temer. A mídia comercial como linha auxiliar do projeto não perde uma edição. A última das mentiras ficou por conta do jornal O Globo com sua manchete da edição da última terça feira (7) revelando que com privatização da Eletrobrás as tarifas de energia elétrica não subirão. A informação carece de fundamento, porque seria o único lugar do mundo em que a privatização do setor seria benéfica aos consumidores.

Ao mesmo tempo em que a mídia comercial defendia, de forma mentirosa, a privatização, o lesa-pátria, Michael Temer, concedia isenção de impostos às poderosas multinacionais petrolíferas. Não bastasse a entrega de mão beijada das riquezas do pré-sal, as empresas ganhadoras do petróleo terão mais lucros por favorecimento dos golpistas.

Mas se os leitores pensam que o convescote lesa-pátria se resume aos dois itens mencionados, enganam-se redondamente. Diariamente, o ocupante ilegítimo do Palácio do Planalto sai em campo para não só favorecer os empresários nacionais ou estrangeiros, em detrimento dos trabalhadores. Nesse sentido, vale lembrar que a pseudo “reforma trabalhista” aprovada por aliados do lesa pátria no Congresso entra em vigor nesta semana.

Em todo o Brasil estão marcados protestos contra o desmonte da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), mas a mídia comercial e algumas figuras como advogados como Ives Gandra Martins, filho de um apoiador incondicional da ditadura empresarial militar instalada no Brasil a partir de 1964, defendem ardorosamente a extinção da Justiça do Trabalho e consequentemente a redução de direitos dos trabalhadores, com o claro objetivo de favorecer o patronato que faz de tudo e muito mais para obter maiores lucros.

Gandra Martins Filho e a mídia comercial conservadora não fazem por menos e diariamente comentam absurdamente que o Brasil agora está entrando na “modernidade”. E eles repetem a mentira inúmeras vezes, com o claro objetivo dela virar verdade absoluta. Repetem em pleno século XXI a velha técnica do Ministro da Propaganda do III Reich, Joseph Goebbels.

Adotaram essa técnica na época da ditadura empresarial militar com afirmações do tipo que o País ia muito bem e chegaram até a enganar por algum tempo setores da classe média com mentiras que induziam incautos a acreditarem que viviam em um país maravilhoso. A farsa, no entanto, acabou com o tempo, pois a verdade acabou prevalecendo.

Nesse sentido, os golpistas de abril de 64 e os atuais de 2016 guardam muitas semelhanças. Nos dias de hoje, enquanto o Brasil está a cada dia andando mais para trás com medidas que estão sendo adotadas, os atuais defensores do favorecimento às empresas multinacionais tentam a todo custo vender a mentira do tipo colocado em prática na época da ditadura empresarial militar.

E para quem tiver dúvidas, basta consultar os jornalões da época com manchetes que faziam a apologia do mentiroso milagre brasileiro. Como mentiras desse tipo tendem a ruir com o tempo, em face das evidências, é bem possível que as cascatas atuais também estejam com os dias contados. Até porque, as mentiras, independente da mídia comercial, acabam se desmantelando diante dos fatos.

Resta aguardar o desenrolar dos acontecimentos neste país continente chamado Brasil.

* Via e-mail/Mário Augusto Jakobskind, é Professor, Jornalista, Escritor, vice-presidente da Chapa Villa-Lobos, arbitrariamente impedida de concorrer à direção da ABI (2016/2019) e Coordenador de História do IDEA, Programa de TV., transmitido pela Unitevê, Canal Universitário de Niterói, Universidade Federal Fluminense (UFF).