19.11.17

GRITARIA DA MÍDIA COMERCIAL NA VOTAÇÃO DA ALERJ ESCONDE A VERDADEIRA CORRUPÇÃO

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND -


Todo cuidado é pouco em relação ao que foi decidido pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), sobre os três deputados. O esquema Globo deu amplos espaços para o fato envolvendo Jorge Picciani, Paulo Mello e Edson Albertassi. O trio, claro, é indefensável pelos seus antecedentes.

Mas tudo é muito sutil, pois, sem dúvida, a Globo está visivelmente aproveitando o embalo para esconder o próprio envolvimento do relacionado com o pagamento de propina para transmissão exclusiva de partidas da Copa do Mundo. Tanto assim, que depois de desmentir que tenha pago propina, o noticiário em questão parou. A Globo agora aproveita o embalo da ALERJ para esconder a própria corrupção.

O caso da Alerj em si é complicado para ser entendido como deveria ser pela opinião pública. A maioria dos parlamentares estaduais votou como votaram para beneficiar a troika do PMDB, de péssimos antecedentes. Aproveitaram o esquema, mas alguns lembraram do artigo 27 da Constituição que prevê prisão de representantes do povo apenas em flagrante, etc. É claro que a quase totalidade votou apenas com o objetivo de livrar a cara da troika acusada de mal feitos que lhe renderam grana e se lixando para o artigo 27 ou mesmo os super poderes do Judiciário, que passa por cima de qualquer coisa, como tem acontecido com o esquema Lava Jato ao condenar acusados sem provas.

Além do aproveitamento do fato pela Globo, mais uma vez se esconde da população a verdadeira corrupção oriunda do capital financeiro que dá total apoio ao retrocesso que o atual governo golpista vem promovendo no país desde a sua ascensão através de um golpe parlamentar, midiático e judicial no ano passado.

Por tudo isso realmente é complicado convencer a opinião pública de que a gritaria da mídia comercial conservadora, capitaneada pelas Organizações Globo, serve a outros objetivos e não propriamente combater a verdadeira corrupção. E vão continuar enaltecendo os juízes de primeira instância da Lava Jato, como o paranaense Sérgio Moro.

Por estas e muitas outras que permanecem obscuras, é recomendável não se deixar envolver pelos esquemas midiáticos conservadores, que também na verdade estão se lixando com a verdadeira corrupção propriamente dita. Ou alguém tem dúvidas sobre o tema?

* Via Blog Jornal da ABI/Mário Augusto Jakobskind, é Professor, Jornalista, Escritor, vice-presidente da Chapa Villa-Lobos, arbitrariamente impedida de concorrer à direção da ABI (2016/2019) e Coordenador de História do IDEA, Programa de TV., transmitido pela Unitevê, Canal Universitário de Niterói, Universidade Federal Fluminense (UFF).