12.11.17

NÃO SE PODE IGNORAR QUE A JT SE DEBILITOU

ROBERTO M. PINHO -

(...) “Os formadores de opinião que conhecem o assunto estão se manifestando em massa e focam suas linhas exatamente em cima de questões pontuais – a celeridade e o trato do magistrado para com as partes”.


Para os que ainda duvidam da extinção da justiça do Trabalho, os sinais que indicam seu fim, estão na superfície dos acontecimentos. Em outubro do ano passado o presidente do TST, Ives Gandra Filho, retirou de tramitação 32 projetos de lei sobre a Justiça do Trabalho. A medida foi fruto de uma negociação com o Congresso para preservar o orçamento da justiça trabalhista e, em troca, desistir de pedir novos desembolsos da União, enquanto durar a crise econômica do país. 

Leia mais na COLUNA