19.11.17

SOMOS TODOS MULHERES DO MUNDIAL! [VÍDEO]

EMANUEL CANCELLA -

O mesmo que os supermercados estão fazendo com seus trabalhadores está sendo feito com os petroleiros: redução de pessoal e de direitos.  Os petroleiros já marcaram greve, por tempo indeterminado, a partir do dia 29, caso a empresa não mude sua proposta.


Essas mulheres do supermercado Mundial mostraram o caminho de barrar a Reforma Trabalhista de Temer na prática.

Segundo o Esquerda Diário:

“Assim, da noite pro dia, decidiram que não iriam mais pagar o adicional de 100% aos domingos e feriados. Essa medida arbitrária de ataques aos direitos é a famosa "negociação" que a reforma trabalhista dizia que iria acontecer entre patrões e empregados, suplantando os direitos garantidos em lei. Mas os trabalhadores do Mundial mostraram que não irão deixar barato, e espontaneamente começaram a fazer manifestações e paralisações em frente às lojas da rede”. (2)

“Um anúncio de vagas da empresa Sá Cavalcante, que opera franquias das redes Bob's, Spoleto e Choe's Oriental Gourmet, chamou a atenção nas redes sociais nos últimos dias. Isso porque a oferta de emprego destaca um salário de R$ 4,45 por hora trabalhada, em uma jornada de cinco horas nos finais de semana”. Menos de R$ 400,00, por mês. Isso é trabalho escravo (3)!

Na “Privataria Tucana”, os petroleiros derrotaram a privatização da Petrobrás com uma greve de 32 dias, apoiados pela sociedade civil organizada, com o lema “Somos todos petroleiros”.

O mesmo que os supermercados estão fazendo com seus trabalhadores está sendo feito com os petroleiros: redução de pessoal e de direitos.  Os petroleiros já marcaram greve, por tempo indeterminado, a partir do dia 29, caso a empresa não mude sua proposta.

Nós, enquanto consumidores, podemos ajudar,  em muito, a luta das mulheres nos supermercados. Podemos escolher onde comprar, pois agora, além dos preços baixos, vamos buscar comprar nas redes de supermercados que não explorem seus trabalhadores.

As mulheres sempre mostraram o caminho da luta:

“As histórias que remetem à criação do Dia Internacional da Mulher alimentam o imaginário de que a data teria 8 de março surgiu a partir de um incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas.

O primeiro Dia Nacional da Mulher foi celebrado em maio de 1908 nos Estados Unidos, quando cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política no país. No ano seguinte, o Partido Socialista dos EUA oficializou a data como sendo 28 de fevereiro, com um protesto que reuniu mais de 3 mil pessoas no centro de Nova York e culminou, em novembro de 1909, em uma longa greve têxtil que fechou quase 500 fábricas americanas”.

Em 1910, durante a II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas na Dinamarca, uma resolução para a criação de uma data anual para a celebração dos direitos da mulher foi aprovada por mais de cem representantes de 17 países. O objetivo era honrar as lutas femininas e, assim, obter suporte para instituir o sufrágio universal em diversas nações (1).”

Olho vivo e a partir de agora: Somos todos mulheres do Mundial!

Fonte: