1.12.17

LAVA JATO A QUADRILHA MAIS PERIGOSA DO BRASIL!

EMANUEL CANCELLA -


A ação e omissão criminosa da Lava Jato estão destruindo a Petrobrás.

A Lava Jato destruiu a Engenharia Brasileira e a Indústria Naval, sendo assim responsável por milhões de desempregados (2,3). Os gringos estão chegando para substituir nossa Engenharia; e navios e plataformas serão agora construídos no estrangeiro, gerando emprego e renda para os gringos.

Da ação criminosa da Lava Jato e de Pedro lalau Parente, na Petrobrás foi retomado o decreto aduaneiro Repetro, criado no governo de FHC, quando queria privatizar a Petrobrás (7). Pelo Repetro, as importações de máquinas e equipamentos da indústria de petróleo são isentas de impostos o que representa uma pá de cal na indústria nacional do setor, inclusive com a cumplicidade criminosa da Firjan e suas associadas.

Para mostrar a face golpista do juiz Sergio Moro, chefe da Lava Jato, ele retirou 21 das 41 perguntas que o deputado Eduardo Cunha fez, em sua delação premiada. Moro fez isso para proteger Mishell Temer, o Chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil (1,4).

A omissão criminosa da Lava Jato foi denunciada formalmente ao MPF, em novembro de 2016 (5). A denúncia ao MPF, de petroleiro, fala dos crimes na Petrobrás dos tucanos FHC e Pedro Lalau Parente.

Chamo de Pedro Lalau porque este senhor é réu desde 2001, em ação movida por petroleiro, quando Pedro Lalau já dava rombo de R5 BI na Petrobrás (9).

Os petroleiros nunca se calaram em relação aos crimes perpetrados contra a Petrobrás. Inclusive a categoria fez greve em 1994/1995, de 32 dias, contra a privatização da empresa, no governo de FHC. Tiveram por isso 100 demissões e multa de cem mil reais por dia (8). A greve começou no governo de Itamar Franco e terminou no governo de FHC, mas conseguiu barrar a privatização da Petrobrás.

A Justiça caminha para a prescrição da ação de 2001 contra Pedro Lalau, pois já se passaram 16 anos; e o MPF, que se calou até hoje sobre a omissão criminosa da Lava Jato, em dezembro do mesmo ano, ainda intima o petroleiro que denunciou a Lava Jato (6). E o pior é que o MPF intima o petroleiro, a pedido do juiz Sergio Moro, por possível crime contra a honra do servidor público, no caso, no caso, Moro.

Toda obra criminosa da Lava Jato se sustenta no combate à corrupção. E agora surge um depoimento bombástico do advogado da Odebrechet, Rodrigo Tacla Duran dado à jornalista Mônica Bergamo, da Folha:

Duran disse que foi procurado pelo advogado Carlos Zucoloto Júnior que, falando em nome da Lava Jato, pediu-lhe propina para celebrar acordo de delação premida. Entre outras benesses, diminuiria a multa da Odebrecht em US$ 10 milhões, se Duran pagasse US$ 5 milhões por fora e ainda concederia a Duran a prisão domiciliar. "O valor seria para ele e para quem estava ajudando ele" (10).

O juiz Sergio Moro  respondeu rispidamente a Duran e à Folha dizendo que Zucoloto é seu amigo pessoal e Duran um fugitivo da justiça e um farsante. Depois descobrimos que Zucoloto, muito mais que amigo de Moro, é seu compadre e ex-sócio de sua esposa, Rosângela Moro.

E veio da revista Veja a publicação, com base na Receita Federal, que Duran fez depósito na conta da mulher de Moro, Rosangela Moro (11).

E hoje, 30/11/17, com a ausência criminosa da mídia, principalmente da Globo, o advogado da Odebrechet, Rodrigo Tacla Duran, em depoimento na CPI da JBS, confirmou todas as suas denúncias!

Fonte: