13.1.18

1- ESTADO DO RJ REGISTRA A PRIMEIRA MORTE POR FEBRE AMARELA ESTE ANO; 2- PM MATA FLANELINHA QUE JOGOU ÁGUA NO PARABRISA DE SEU CARRO

REDAÇÃO -


A Secretaria de Saúde do Estado do Rio confirmou nesta quinta-feira (11) dois casos de febre amarela em humanos foram confirmados no Estado do Rio. Uma pessoa morreu. De acordo com a pasta, o falecimento foi registrado na zona rural de Teresópolis, na Região Serrana do Rio. A vítima era um homem de 48 anos que trabalhava e morava na região, informou a prefeitura. O outro paciente, morador de Valença, no Sul Fluminense, está internado. Os casos foram confirmados após exames laboratoriais realizados pela Fiocruz.

O estado registrou 27 casos de febre amarela silvestre em humanos de 15 de março até 31 de dezembro de 2017. Foram nove mortes causadas pela doença.

A pasta informou que 12 cidades registraram casos de febre amarela em macacos desde março do ano passado.

Os dois municípios - Teresópolis e Valença - não estão incluídos entre os 15 que serão alvo da campanha de vacinação anunciada esta semana pelo Ministério da Saúde. Em nota, a secretaria informou que a cobertura vacinal nas duas cidades é superior a 80%.

Ainda segundo a pasta, foram disponibilizadas doses suficientes para vacinar 100% da população das duas cidades. A secretária também disse ter recomendado às prefeituras que intensifiquem a vacinação, principalmente nas áreas de mata. (via Rio247)

***
PM mata flanelinha que jogou água no parabrisa de seu carro

O flanelinha Romário de Oliveira Resende jogou água para limpar o parabrisa do carro do cabo Leandro Augusto Graciano. O PM pediu para que o flanelinha parasse, mas ele insistiu. Irritado, Leandro saiu do carro e disparou para o chão. Romário, então, pegou uma pedra. Nesse momento, o policial atirou mais uma vez, desta vez em direção ao flanelinha, que foi atingido e morreu na hora.

O crime aconteceu na noite desta quinta-feira (11), na esquina da Avenida Cesário de Melo com Rua Madre Teresa, próximo ao Hospital Rocha Faria, em Campo Grande, Zona Oeste do Rio.

Outras duas pessoas acabaram feridas por estilhaços de vidro e foram levadas para o Hospital Rocha Faria. O próprio cabo se apresentou à Divisão de Homicídios (DH) e os delegados de plantão entenderam que ele poderá responder pelo crime em liberdade. (Revista Fórum)