13.1.18

A HISTÓRIA DA ILHA DE VERA CRUZ NOVAMENTE ENLAMEADA PELA DITADURA DOS DONOS DO MINISTÉRIO DA VERDADE

Por ANDRÉ MOREAU -


Silva é o nome do roteirista iluminado que substituiu o jornalista Barbosa, de saudosa memória, despedido pelos filhos do homem que fundou o “Ministério da Verdade”, apesar de tantos serviços prestados à família, quer dizer, à nação, durante a ditadura passada.

Dizem que além de experiente em matéria de intrigas novelísticas, no ramo do jornalismo, Silva é mágico, por isso além de ganhar um extra quando auxilia os criadores das principais telenovelas ao elaborar um argumento de grande repercussão sobre, por exemplo, a classificação de risco da agência “Saque & Porrada”, para os jornais e telejornais, fatura outro cachê extra no final de semana.

Por isso as portas de todos os setores do “Ministério da Verdade” e do resto do governo federal da ilha de Vera Cruz, se encontram sempre abertas para Silva.

Silva é um tipo diferente que só aparece acompanhado por simpáticos homens, jovens, atléticos, bem vestidos e bons datilógrafos, mas de pouca imaginação. Destacados apenas, para fazer tudo que o iluminado Silva desejar para manter aflorada sua criatividade e digitar as frases repetidas por ele, enquanto caminha de um lado para o outro da redação como se fosse um estadista discursando.

As últimas criações de Silva surgiram a partir das seguintes conclusões.

- O motivo da crise em que vivemos, é essa mulher chamada Dilma. Basta afastá-la, para que em uma semana Vera Cruz volte a ser uma ilha digna de confiança no mercado e passe a crescer como determina o Fundo Monetário Internacional.

Este pensamento de Silva ocorreu em 2013. Mobilizou “formadores de opinião” de todos os veículos de comunicação do mundo “acidentado” e deflagrou uma das maiores mini-séries do planeta, levando incautos e radicais de ultra direita a saírem pelas ruas em apoio ao impeachment, sem mérito, da “presidenta valente” eleita por cinqüenta e quatro milhões e meio de votos.

De lá para cá, foram muitas as sacadas de Silva, visando manter as superavitárias faturas do “Ministério da Verdade”, inclusive junto aos governos dos diferentes estados da ilha, todos quebrados pela onda de privatizações implantada a partir da obsessiva mentira de manter Vera Cruz, longe da classificação de risco da agência “Saque & Porrada”.

Uma das últimas de Silva, foi determinar o uso da Lei de Segurança Nacional, para combater noticias falsas na “Internet”.

A idéia indigesta, objetiva socorrer o “Ministério da Verdade” da fase ruim decorrente da pouca vendagem dos jornais, revistas e da baixa audiência das novelas.

Cinqüenta por cento dos críticos do governo ilegítimo, amedrontados com a classificação de risco da agência “Saque & Porrada”, pararam de escrever ou diminuíram suas postagens na grande rede.

Outro dia desses chegou à redação outra denúncia grave. 

- Inseticida Santa usado no agro-negócio, mata em massa lagartixas, sapos e outros animais que comem mosquitos, os mesmos que transmitiram dengue e podem ameaçar a população da ilha, com a febre amarela.

Diante da conclusão cientifica que ameaçava a principal campanha do “Ministério da Verdade”, a do agro-negócio, Silva foi convocado pelos seus donos e editores a pensar sobre como sair daquela armadilha e não teve dúvida, a partir da descoberta que o laboratório de vacinas contra febre amarela e dengue, velho anunciante da casa, entraria em falência, determinou que alguns macacos fossem envenenados em diferentes regiões da ilha e depois da constatação da febre que fosse feita outra série, com o seguinte título.

- Prevenção à febre amarela, é urgente.

Diante da força do noticiário, apesar do envolvimento no “botin”, o governo não teve saída: atendeu o “Ministério da Verdade”, anunciando que combateria a febre com a metade da dose da vacina. No dia seguinte, de madrugada, a população de Vera Cruz correu em busca de vacinas e até hoje as filas se estendem dos postos de vacinação dos municípios supostamente afetados, por quarteirões.

Foi Silva também o autor do plano de marginalização dos manifestantes que pretendem ocupar Porto Alegre no dia 24 de janeiro, em protesto contra a ameaça de condenação do ex-Presidente Lula.

- Infiltrar mercenários vestidos com roupas vermelhas e bonés do PT e do MST, para promover arruaças e desmoralizar a manifestação.

Com a áurea atingida por tanta negatividade, magro e cheio de olheiras, no último dia que Silva foi visto entrando na redação, como se estivesse inspirado por um luz divina, olhando para o teto com os braços abertos, antes de proferir outra de suas sacadas, tropeçou em uma cadeira e ao cair de cara no chão, exclamou em alto e bom som.

- Merda! Merda! Merda!

Os esforçados garotos que o acompanhavam, se dividiram em dois grupos: um para ajudá-lo a se levantar; outro para registrar no PC a lapidar expressão que imediatamente foi salva, mas quando Silva se levantava do tombo, se apoiou no teclado e apertou sem querer a tecla (autorizado), botão de comando para alterar junto a oficina, a paginação colocando o que Silva pensou como primeira manchete. Foi assim que saiu o jornal, com “Merda! Merda! Merda!” em letras garrafais. A edição foi sucesso de vendas, o que obrigou a nação a se movimentar em meio as filas dos postos de saúde, tentando limpar a ilha de Vera Cruz, suja até hoje.

* Via e-mail/André Moreau, é Professor, Jornalista, Cineasta, Coordenador-Geral da Pastoral de Inclusão dos "D" Eficientes nas Artes (Pastoral IDEA), Diretor do IDEA, Programa de TV transmitido pela Unitevê - Canal Universitário de Niterói e Coordenador da Chapa Villa-Lobos - ABI - Associação Brasileira de imprensa, arbitrariamente impedida de concorrer à direção nas eleições de 2016/2019.