16.1.18

AS ESTATAIS QUE EMPOBRECEM. PRIVATIZAÇÕES QUE ENRIQUECEM

HELIO FERNANDES -


As duas providências podem resultar em consequências rigorosamente positivas. Surpreendente analise em profundidade, feita por consultoria respeitada, concluiu. Existem no Brasil, 496 estatais, responsáveis por prejuízos monumentais.

Aprofundando o estudo, a mesma consultoria afirma e garante: "Privatizando 168 dessas estatais, o Brasil pode ter um lucro de 500 bilhões". Mas  alerta: "É preciso ter critério na venda, saber a quem vender e como vender".

Faltou esclarecer: o que fazer das outras 328 estatais, das 496 levantadas e descobertas por esse consorcio?

Sem nenhuma restrição a esse consorcio, e até utilizando os números de sua pesquisa, cheguei a conclusões inteiramente diferentes, verdadeira recuperação e emancipação.

E minha recomendação também seria da venda de estatais ruinosas, inúteis e empobrecedoras. Mas negociando (privatizando) muito mais. E mantendo apenas  um quinto do total atual.

Sumarizando, reduzindo, negociando, vendendo, fazendo exatamente o contrario do que fez o presidente FHC e sua criminosa Comissão de desestatização. Entregou o patrimônio nacional e não recebeu nada em troca. Apenas o enriquecimento de acólitos e parceiros. E o empobrecimento do país.

Roteiro que deveria ser obrigatório, existe mercado comprador e já surgiria com a luz não no fundo do túnel, mas sim bem no inicio.

PS- Das 496 estatais, 400 seriam vendidas, nenhum exagero em calcular que o país receberia 1 TRILHÃO.

PS2- Isso á vista, pela venda. Sem contar com a economia do desperdício que se pratica, anualmente com a manutenção dessas empresas, criminosamente inúteis.

PS3- O governo manteria apenas 96 das 496 estatais. Seriam administradas como se fossem empresas privadas, voltadas para o lucro, a realização e a competência. Sem roubalheira, sem necessidade de nova Lava-Jato.

PS4- Resultado previsível de lucro de 1 TRILHÃO. Com o outro, seriam 2 TRILHÕES.

PS5- Um terço do orçamento, de 6 TRILHÕES. Rigorosamente admissível, maravilhoso para a economia brasileira.

ELEIÇÃO DIRETA NA OAB NACIONAL

Deveria ser obrigatória, seu presidente é um personagem de ampla repercussão.

Poderia ser agora, que já tem um candidato lançado e muito bem recebido. Trata-se de Felipe Santa Cruz, que fez admirável administração na OAB do Estado do Rio.

Já mudou para Brasília, escritório e campanha para conquistar o cargo mais alto representando os advogados. Que hoje, já estão em atividade, mais de 1 milhão de profissionais. Tem o maior apreço pela eleição direta, é um democrata.

Quando adolescente, enfrentou a tragédia irrefutável: o pai foi assassinado pela ditadura.

DIVERGÊNCIA NA PREVIDÊNCIA

Só entra em pauta para discussão e talvez votação depois do recesso. Este acaba junto com o carnaval, o congresso retoma no dia 19 de fevereiro. Falta mais de 1 mês, mas é o assunto imprescindível dos que ficaram em Brasília.

Faltam informações verdadeiras, mas vão falando por falar.

Os que tentam parecer mais confiantes, o corrupto Temer e o quase presidenciável Meirelles. O ainda presidente, "estamos avançando". Meirelles, "vamos aprovar mesmo no dia 19".Com isso consegue ir provocando gargalhadas em Rodrigo Maia.

O presidente da Câmara se mantém em silencio. Só diz alguma coisa para os muito íntimos. E sabe que estão longe dos 308 votos indispensáveis. Alguns que interpretam o silêncio de Maia, arriscam: "Por enquanto ainda não passaram dos 270 votos".

PS- Lógico, pode  acontecer muita coisa de hoje a 19 de fevereiro.