10.1.18

GOIÁS DESGOVERNADO E O RIO DE JANEIRO TAMBÉM

MIRSON MURAD -


Enquanto no sistema presidiário de Goiás estava o caos absoluto, o governador Marcondes Pirillo saía de férias. Revoltado com as declarações do ministro da Justiça, aquele que está sempre falando abobrinhas, mas nesse caso estava certíssimo, o chefe do Executivo goiano disse ser também um trabalhador e tinha o direito de descansar. O governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, saiu da mesa de operação e, mesmo podendo morrer, reassumiu as rédeas do governo capixaba para resolver uma crise. Quanta diferença, Perillo. Ele fora eleito para cuidar de sua população, de seus eleitores, e estava arriscando sua saúde mas cumprindo seu dever.

A presidenta do Supremo Tribunal Federal foi a Goiás para ver o que se passava no presídio onde houvera 3 rebeliões, fuga em massa e assassinato de mais de 10 detentos por facção inimiga. Tudo isso em apenas uma semana. Em lá chegando foi aconselhada a não fazer a vistoria pretendida por falta de segurança. Ou seja, lá quem está mandando é a bandidagem. As autoridades goianas não poderiam dar-lhe proteção. Perillo desmentiu mas, o fato é que, à ministra, não foi permitido fazer o que pretendia. Vergonha!!! Isso ocorreu ontem quando capturaram, em Cabo Frio, o chefão que organizara a bagunça violenta que se instalara por lá. O criminoso, poderoso chefão, havia fugido pela porta da frente, pagando uma propina de 100 mil reais. Ora, se lá era seu reduto, não seria justo o "capo" ficar distante. O bandidão foi levado de volta para o mesmo presídio. "O bom filho à casa torna".

No Rio de Janeiro, na favela da Maré, hoje, a bandidagem fez uma carreata pelas ruas principais da comunidade ostentando fuzis e muitas outras armas de fogo, em festa, com uma demonstração acintosa de que quem manda lá são eles. A polícia que não se metesse a besta de tentar entrar na Maré. Eles veriam o que é bom pra tosse. O desfile de automóveis apinhados de banidos, armados até os dentes, mostrando seu poder bélico, deixou bem claro que o território da favela da Maré é deles. E ponto final!